Artigos de apoio

O Primeiro de Janeiro
O jornal portuense O Primeiro de janeiro foi fundado a 1 de janeiro de 1868 por ocasião das manifestações populares da Praça Nova e tinha por objetivo manter vivas as aspirações liberais de tendência progressista. Na altura, o jornal chamava-se A Revolta de janeiro. A sua publicação foi suspensa a 31 de agosto desse mesmo ano, mas regressou ao mercado a 1 de dezembro seguinte, já com a designação de O Primeiro de janeiro, que se manteve até à atualidade. A 1 de janeiro de 1869, numa altura em que Ferreira Baltar era o diretor, o jornal passou a estar nas bancas diariamente. Herdeiro dos movimentos liberais do Porto, adotou o lema de informar de forma isenta e pluralista.
O Primeiro de janeiro bateu-se bem com os outros dois jornais diários do Porto, o Jornal de Notícias e O Comércio do Porto, e, na década de 30 do século XX, conquistou o estatuto de um dos três jornais mais importantes de Portugal a par do Diário de Notícias e do Século, ambos de Lisboa. Apesar de se assumir como independente, o jornal tinha de se cingir às restrições impostas pela censura do Estado Novo.
Em 1942, o jornal lançou o suplemento literário semanal "das Artes das Letras", que foi publicado com algumas interrupções ao longo da segunda metade do século XX, até ser retomado em junho de 1999. Nas páginas deste suplemento escreveram nomes como José Augusto Seabra e Arnaldo Saraiva.
Após a Revolução do 25 de abril de 1974, uma série de meios de comunicação social foram nacionalizados pelo Estado, mas O Primeiro de janeiro conseguiu manter-se independente.
O Primeiro de janeiro, que já em finais do século XX perdeu muitos eleitores, privilegia nas suas páginas o Porto e a Região Norte, mas apresenta noticiário de todo o país e do estrangeiro.
O diário tem a particularidade de oferecer diversos suplementos aos seus leitores. Assim, em julho de 1999, apresentou "Justiça e Cidadania", suplemento mensal destinado ao setor forense, e, em setembro do mesmo ano, começou a dedicar semanalmente espaços especiais aos concelhos da região do Porto. Para além disso, disponibiliza mensalmente a revista Rostos, dedicada aos eventos sociais do Norte, e o Sete, dedicado aos espetáculos e que recuperou o título de um antigo semanário desta área, que marcou a Imprensa dos anos 80.
No ano 2000, O Primeiro de janeiro passou a estar também disponível na Internet.
Como referenciar: O Primeiro de Janeiro in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2017. [consult. 2017-12-12 00:54:25]. Disponível na Internet: