OSD

Acrónimo da expressão inglesa Optical Super Density (Superdensidade Ótica).
A tecnologia OSD foi apresentada na primavera de 1999 pela Maxoptix Corporation, uma empresa líder em soluções de armazenamento de dados baseadas em materiais magnético-óticos.
O desenvolvimento desta tecnologia teve como objetivo o aumento da capacidade de armazenamento dos suportes magnéticos, a redução do custo, durabilidade e performance. Assim, pretendia-se desenvolver uma unidade magnético-ótica amovível de grande capacidade, 40 GB ou mais, com taxas de transferência de dados competitivas com as dos discos duros e das tapes (cassetes). Pretendia-se, ainda, proporcionar ao utilizador final um custo por megabyte significativamente menor.
Estes objetivos foram conseguidos com a introdução de algumas inovações tecnológicas, tais como:
OverCoat Incident Recording (OCIR)
Arquitetura onde a camada gravável é colocada no topo da superfície, tal como acontece nos discos duros, mas inclui uma camada espessa de acrílico transparente a cobri-la, como acontece nos CDs e DVDs. A arquitetura OCIR permite, assim, uma maior durabilidade dos discos.
Surface Array Recording (SAR)
Técnica que permite a leitura e a escrita simultânea dos dois lados do dispositivo magnético-ótico, ao incluir cabeças de leitura/escrita independentes em ambos os lados. Com esta técnica os tempos de acesso aos dados diminuem consideravelmente.
Recessed Objetive Lens (ROL)
A forma como estas lentes foram desenhadas permite aumentar a imunidade contra a contaminação das cabeças magnéticas. Nesta técnica, as lentes objetivas não se encontram em contacto direto com os discos introduzidos que poderão levar algumas poeiras ou sujidade. A resistência à contaminação é ainda aumentada pela inovação da Maxoptix, a ACS (Air Clear System), que consiste num fluxo de ar injetado pela cabeça magnética, prevenindo a sua contaminação por partículas indesejáveis.
Magnetic Field Modulation (MFM)
Técnica que elimina as limitações inerentes aos drives tradicionais que usam uma bobina para escrever dados. A tecnologia OSD utiliza uma pequena cabeça magnética muito próxima do disco. Desta forma, a polaridade do campo magnético pode ser comutada a uma frequência muito alta. A rapidez de alteração da polaridade faz com que um disco possa ser gravado numa só passagem.
Magnetic Super Resolution (MSR)
Técnica que permite voltar a ler grandes densidades de bits ao isolar os bits a serem lidos. O MSR permite, ainda, ampliar áreas de bits gravadas na superfície da camada gravável do disco, possibilitando maiores resoluções para bits progressivamente menores. Assim, esta técnica aumenta não só a capacidade mas também a performance.
Os dispositivos de armazenamento OSD removíveis são virtualmente infalíveis em termos da integridade dos dados. Podem ser regravados 10 milhões de vezes sem se degradarem e podem conservar-se mais de 50 anos sem utilização. Estes dispositivos são indicados para aplicações do tipo data warehousing/mining, backup/disaster recovery, network backup document imaging, Computer Output to Laser Disk (COLD), Hierarchical Storage Management (HSM), Internet Content Storage e aplicações multimédia contendo áudio e vídeo.
Como referenciar: Porto Editora – OSD na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-09-21 06:56:56]. Disponível em