Ourém

Aspetos Geográficos
O concelho de Ourém, do distrito de Santarém, localiza-se na Região do Centro (NUT II), no Médio Tejo (NUT III). É limitado a este pelo concelho de Ferreira do Zêzere e Tomar, a sudeste por Torres Novas, a sul por Alcanena, a oeste pelos concelhos de Leiria e Batalha do distrito de Leiria e a norte por Pombal e Alvaiázere (distrito de Leiria).
No total, abrange uma área de cerca de 416 km2 e é constituído por 18 freguesias: Alburitel, Atouguia, Casal dos Bernardos, Caxarias, Cercal, Espite, Fátima, Formigais, Freixianda, Gondemaria, Matas, N. Sra. das Misericórdias, N. Sra. da Piedade, Olival, Ribeira de Fárrio, Rio de Couros, Seiça e Urqueira.
Em 2005, o concelho apresentava 48 598 habitantes.
O natural ou habitante de Ourém denomina-se oureense.
O concelho situa-se num morro alto, isolado no meio de planícies e vales, cortada por pequenas ondulações até atingir a Serra de Alvaiázere a sudeste. A sudoeste é limitado pelas serras de Aire e Candeeiros. O concelho encontra-se envolvido por uma grande área verde face à proximidade do Parque Natural da Serra de Aire e Candeeiros.
História e Monumentos
Ourém desenvolveu-se em redor do castelo que foi mandado construir no século XII por D. Afonso Henriques e que tinha como principal objetivo ser um ponto estratégico de defesa contra possíveis invasores face à sua localização privilegiada.
Segundo a Lenda da Princesa Fátima, o nome de Ourém resulta de Oureana, o nome cristão de uma moura chamada Fátima (nome que viria a ser atribuído à localidade de Fátima), que se converteu ao cristianismo, depois de se apaixonar por um cristão.
A principal atração do concelho é o Castelo de Ourém reconstruído na Idade Média (séc. XV) pelo Conde D. Afonso, filho ilegítimo de D. João I e de Inês Pires Esteves. No seu interior estão a colegiada, os torreões sul do castelo, o Paço do Conde, as muralhas e o túmulo na cripta. Para além dos recentes restauros que tem sofrido, foi sujeito a grandes reparações após o terramoto de 1755 e das Invasões Francesas de 1810.
Existem muitos outros monumentos que remontam à Idade Média destacando-se inúmeras capelas, como por exemplo: a Capela de Toucinhos (1592), as ruínas da Capela de S. Sebastião, a Capela de Sto. António (1674), a Capela de Ninho d'Águia - construída em 1639 e reconstruída em 1868, depois das Invasões Francesas, cujo nome provém de uma lenda de um rapto de um bebé recém-nascido, por uma águia -, a ermida de N. Sra. da Conceição (1636), a Capela de Vilar dos Prazeres (1592), a Capela da Melroeira (construída em 1627 e remodelada em 1725), a Capela de N. Sra. da Ajuda que data do século XVII e a capela no lugar da Calçada (1603), considerada de interesse nacional.
Mas, a mais importante atração de Ourém é o Santuário de Fátima (a cerca de 10 km a sudoeste do concelho) e que atrai milhares de peregrinos, nacionais e estrangeiros, todos os anos no dia 13 de maio (dia da aparição de Nossa Senhora). Para além do santuário, ainda se pode visitar a capela de Sta. Lúzia (1604), a Basílica de N. Sra. do Rosário (1953), a Casa dos Videntes, o Calvário Húngaro, a Igreja Matriz, o Relógio do Sol, o Santuário de N. Sra. da Ortiga, museus e roteiros turísticos rurais.
O concelho de Ourém é provido, ainda, de muitas fontes e nascentes naturais, destacando-se a Fonte Gótica (no interior do Castelo) e a nascente do Agroal, associada às termas com o mesmo nome.
As grutas que existem no concelho são também relevantes a nível do património cultural da região. A Gruta do Papagaio, em Fátima, evidencia a presença do homem desde há 6500 anos e a Gruta dos Furos (Formigais) evidencia a presença do homem desde o Neolítico.
Existem também outros locais históricos compostos por vestígios de uma vila romana descoberta em 1972, no Olival, uma estrada medieval que ligava Santarém e Coimbra e moinhos de água. Foram encontradas pegadas de dinossauros na freguesia de N. Sra. das Misericórdias, situadas na antiga pedreira do Galinha e considerado monumento nacional.
Tradições, Lendas e Curiosidades
O concelho está dotado de um número significativo de feiras e festas de cariz religioso.
Em Caxarias realiza-se, há mais de 600 anos, a tradicional feira de S. Bartolomeu ou "Feira das Panelas", no último domingo de agosto, e a feira anual a 8 de setembro, em Rio de Couros. A feira mensal ocorre todos os dias 27 de cada mês, em Casal dos Bernardos.
Na freguesia de Casal dos Bernardos realizam-se festas anuais, como a festa em honra de Sto. António, no primeiro sábado e domingo do mês de agosto, e a festa da Sagrada Família na Capela da Mata do Fárrio, no segundo domingo de janeiro. Realizam-se outras festa no concelho, como a festa anual de Sto. António na Igreja de Ribeira do Fárrio, no último domingo de janeiro; a festa anual de N. Sra. de Fátima, no quarto domingo de maio, e a festa de N. Sra. de Fátima, no segundo domingo de agosto.
O feriado municipal é a 20 de junho.
A nível de artesanato, fazem-se trabalhos de cestaria, latoaria e tanoaria.
Economia
A maior parte da população encontra-se empregada nos setores secundário e terciário.
O concelho é um local favorável à localização das indústrias, nomeadamente serrações, carpintarias, mobiliárias e construção civil. É de notar que a silvicultura constitui um importante setor complementar da indústria uma vez que lhe fornece as matérias-primas essenciais (madeira de pinheiro e eucalipto).
Uma outra indústria relacionada com o turismo religioso é a indústria hoteleira: há cerca de 19 hotéis, 12 pensões e 117 restaurantes.
O setor terciário tem vindo a adquirir importância crescente nos últimos anos essencialmente devido ao crescimento de dois centros urbanos, Ourém e Fátima, e está relacionado com o turismo, comércio a retalho e restauração.
A agricultura, que outrora era a principal atividade do concelho, tem vindo a perder terreno para os outros setores, nomeadamente para o comércio. Atualmente é uma atividade complementar das outras atividades. Os principais produtos são o vinho, o azeite, cereais para grão, batata e leguminosas. O setor florestal é constituído essencialmente por pinheiro bravo. A nível do setor pecuário, os ovinos e caprinos representam cerca de 60% do total.
Como referenciar: Ourém in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2021. [consult. 2021-04-19 07:18:01]. Disponível na Internet: