Outonais

Volume póstumo de poesias organizado e prefaciado por Teófilo Braga, que traça na introdução o percurso biográfico e literário de Alexandre da Conceição, relacionando-o com o grupo de poetas da revista A Grinalda, a que pertenceu. Escritas entre 1870 e 1886, as composições retomam temas de Alvoradas, como a exaltação da dimensão humana e moral de Cristo ("O teu glorioso irmão, o velho Prometeu,/ O heroico lutador, foi o primeiro ateu", de "Cristo"), contraposta ao "terror pueril da religião" (em "Resposta a um católico", "A um padre", "Réplica a um católico", "Os Jesuítas"), e a visão épica da história da Humanidade ("Camões"). De ressaltar a temática social e humanitária presente nas composições "Aos trabalhadores" (crítica social à vanidade dos políticos e à hipocrisia social), "História vulgar" e "Um retórico" e, mais uma vez, o republicanismo ("Hino do clube Henriques Nogueira"). Outra coordenada importante é a reequacionação do Romantismo: se, no poema "Bacharelite", o Romantismo, chamado de "antiga perversão", é responsabilizado pela esterilização da vida nacional, em "Versos dum caturra", os "pálidos românticos" são de certa forma reabilitados enquanto indivíduos sinceros, puros e íntegros, por oposição aos "bardos realistas".
Como referenciar: Porto Editora – Outonais na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-12-03 05:09:44]. Disponível em