Palácio Pitti (Florença)

O palácio Pitti foi mandado construir por Lucca Pitti com a intenção de suplantar o palácio dos Médicis, mas acabou por ser residência privada desta última família a partir de 1549.
É uma construção de grandes dimensões com capacidade para albergar uma corte europeia como aconteceu no século XIX. Durante o período entre 1558 e 1570 Cosme de Médicis encarregou Ammannati de acrescentar as estruturas. Aparenta ser uma vivenda-forte por estar implantado sobre um terraço sustentado por silhares de grande tamanho. É agora um dos numerosos palácios florentinos, albergando coleções de arte.
O seu arquiteto talvez tenha sido Brunelleschi, embora os trabalhos de construção só se tenham iniciado após a sua morte, numa época de apogeu da arte florentina. Pode sentir-se o seu génio na conceção regular das fachadas sem adornos nem frisos, na elevação dos pisos e no escalonamento dos terraços.
A grande regularidade distributiva marca a divisão do rés do chão (zona de lojas, escritórios e serviços) do primeiro andar, onde se situam as dependências de habitação da família, e do segundo andar onde se concentram os apartamentos secundários, celeiros e arrecadação.
Emparceira com os palácios Médici-Riccardi e dos Uffizi, a ´Basílica de S. Lourenço e a catedral no designado Centro Histórico de Florença, conjunto classificado classificada Património Mundial pela UNESCO em 1982.
Como referenciar: Porto Editora – Palácio Pitti (Florença) na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-10-18 12:05:19]. Disponível em