Parménides de Élea

De ascendência aristocrática, nasceu em Élea, cidade grega no sul da Península Itálica, por volta de 540 a. C. Aí desenvolveu grande parte da sua ação, ficando famoso entre os seus concidadãos como legislador esclarecido. Segundo a tradição, embora discípulo de Xenófanes, foi sobretudo marcado por Amínias, um pitagórico, o que não obstou a que seguisse um percurso totalmente independente e inovador na reflexão filosófica. Segundo um relato de Platão, ter-se-ia deslocado, já idoso, a Atenas, onde Sócrates o veio a conhecer. Autor de um poema dividido em duas partes, intituladas A Via da Verdade e A Via da Aparência, é o primeiro pré-socrático de cuja obra conhecemos uma parte significativa.
Contrariamente aos seus antecessores, pretendeu aceder ao conhecimento da verdade recorrendo a uma metodologia estritamente analítica: a partir das premissas «o ser é e não pode não ser» e «o não ser é forçoso que não exista», das quais deduz a unidade do ser - que não pode mudar e passar a ser aquilo que não era -, infere, por via de necessidade lógica, os atributos que o caracterizam: incriado e indestrutível, ilimitado mas finito, imutável, inamovível e atemporal, homogéneo, indivisível e esférico, e, finalmente, único. Ao apresentar de forma tão abstrata o ser como fundamento, acabou por o colocar em estreito paralelismo com o próprio pensamento - «O que se pode dizer e pensar é forçoso que seja» e «não é para ser dito nem pensado o que não é» -, definindo como único campo passível de conhecimento racional o do ser enquanto ser, uno, absoluto e imutável. O aspeto renovador desta abordagem levou a que alguns lhe atribuíssem o título de «fundador da ontologia».
O monismo absoluto (e estático) que estava na base das suas propostas colocou-o em radical confronto com todos os sistemas anteriores - em particular, com os pitagóricos, que defendiam uma posição dualista (a teoria dos opostos), e com Heraclito, que sustentava o devir como essência. Do carácter absolutamente contraditório das teorias de Parménides e Heraclito resultou a antinomia fundamental entre ser e devir que marcará toda a filosofia subsequente, e relativamente à qual Aristóteles viria a propor a primeira superação satisfatória com a distinção entre ser em ato e ser em potência.
Como referenciar: Parménides de Élea in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-09 02:51:21]. Disponível na Internet: