Pedro Margalho

Filósofo, cosmógrafo, teólogo e jurista (c.1474-1556). Segundo a tradição nasceu em Elvas, cerca de 1474. Faleceu em Évora, em 1556.
Entre 1490 e 1510 estudou em Paris onde alcançou os títulos de mestre em Artes e de doutor em Teologia. No ano de finalização dos seus estudos já se encontrava a lecionar em Valladolid, onde permaneceu até 1517, partindo depois para Salamanca (1517-1529). Em 1524 foi nomeado juiz por D. João III em substituição de Bernardo Pires na conferência de Badajoz onde se determinava a demarcação e posse das Molucas.
Em 1525, obteve a cadeira de Filosofia Moral em Salamanca e, em 1527, encontrava-se em Valladolid para examinar algumas posições de Erasmo. Ainda neste ano esteve em Portugal encarregue pelo rei de algumas diligências, nomeadamente a de obter bolsas para estudantes em Paris. No ano seguinte, regressa às suas aulas a Salamanca mas instala-se definitivamente em Portugal a partir de 1529 com as funções de precetor do Cardeal D. Afonso, a convite de D. João III. Em 1530 foi vice-reitor na Universidade de Lisboa. A partir de 1533 instala-se em Évora onde foi cónego da sé.
São de sua autoria algumas obras: textos respeitantes à doutrina de São Tomás de Aquino, de Escoto e dos nominalistas; um livro de física onde expõe dados geográficos novos, colhidos durante as viagens de descobrimento, e uma orientação em estudos teológicos para um grupo de estudantes, entre os quais figurava D. António, Prior do Crato.
Como referenciar: Pedro Margalho in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-07-16 09:59:55]. Disponível na Internet: