Penafiel

Aspetos Geográficos
O concelho de Penafiel, do distrito do Porto, insere-se na Região do Norte (NUT II) e no Tâmega (NUT III), na área geográfica designada Vale do Sousa. Fica situada numa colina, a uma altitude de 302 metros, entre os rios Sousa e Cavalum, numa envolvente de quintas e lugares de características rurais. Dista cerca de 35 km da cidade do Porto
.

Encontra-se rodeada pelos concelhos de Lousada e Amarante, a norte, Marco de Canaveses a este, Castelo de Paiva (distrito de Aveiro) a sul, Gondomar e Paredes a oeste. Possui solos férteis de boa aptidão agrícola
.

Numa área de 212,3 km2 distribuem-se 28 freguesias: Abragão, Boelhe, Bustelo, Cabeça Santa, Canelas, Capela, Castelões, Croca, Duas Igrejas, Eja, Fonte Arcada, Galegos, Guilhufe e Urrô, Irivo, Lagares e Figueira, Luzim e Vila Cova, Oldrões, Paço de Sousa, Penafiel, Perozelo, Rans, Recezinhos (São Mamede), Recezinhos (São Martinho), Rio de Moinhos, Rio Mau, Sebolido, Termas de São Vicente e Valpedre.

Em 2011, o concelho registava 72 265 habitantes
.

O natural ou habitante de Penafiel denomina-se penafidelense.

História e Monumentos
Antes de adquirir a atual designação, Penafiel era conhecido pelo topónimo de Arrifana do Sousa.

Adquiriu o estatuto de cidade em 1770 com o rei D. José I. No mesmo ano, foi elevada a sede episcopal, tendo sido escolhida para catedral a Igreja da Misericórdia. No reinado de D. Maria I a diocese foi abolida, sendo reintegrada no Porto
.

O vasto património do concelho engloba vários monumentos de cariz religioso. É o caso da igreja matriz, da Igreja do Carmo, da Igreja da Misericórdia, da Igreja do Calvário, da Igreja da Ajuda, da Igreja do Sameiro, da igreja de Boelhe, do santuário de Nossa Senhora da Piedade, da capela de Santa Luzia, da capela de S. Bartolomeu e do mosteiro de Paço de Sousa. São de referir também o pelourinho de Penafiel, a casa do Muro, na freguesia de Paredes, que serviu de refúgio a Alexandre Herculano, a casa do Seixo, na freguesia de Recezinhos, o solar Barbosa, o solar dos Brandões e dos Balsemões, a casa de Cabanelas, o solar da Quinta da Aveleda, a ponte de Cepeda, a torre de Coreixas, a anta de Santa Marta e o castro de Monte Mozinho.

Tradições, Lendas e Curiosidades
São várias as festas que se realizam nas diferentes freguesias do concelho, como a festa do Corpo de Deus, a festa das Endoenças - na quinta-feira Santa, iluminando-se com milhares de luzes as encostas que ladeiam os rios Tâmega e Douro -, a Senhora da Saúde, na segunda- feira a seguir à Páscoa, o S. Simão, em outubro e a festa do Carneirinho em que, segundo a tradição, os alunos das escolas entregam um carneiro à professora, depois de o ter passeado pela cidade
.

De 10 a 20 de novembro decorre a feira de S. Martinho. No mês de agosto tem lugar a Agrival - feira agrícola do Vale do Sousa
.

O feriado municipal é no dia 11 de novembro, dia de S. Martinho, padroeiro da cidade
.

O artesanato compreende vários produtos, como é o caso das toalhas e colchas de linho, cobertores de lã, mantas de trapos, trabalhos em ferro, cestaria em fitas de madeira, miniaturas de madeira, tamancaria e latoaria.

Economia
Na economia de Penafiel assumem particular relevo o comércio, a indústria, a extração e transformação de granitos e a agricultura, na qual se salienta a produção de vinho verde, batata, frutas, milho, trigo e centeio. Os principais recursos florestais são as resinosas e o eucalipto. A pecuária é também uma atividade importante para a economia do concelho, permitindo a produção de carne e leite
.

Como referenciar: Penafiel in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2021. [consult. 2021-05-15 15:47:42]. Disponível na Internet: