periscópio

O modelo mais simples é constituído por um tubo comprido com espelhos em ambas as extremidades colocados a 45 º com a direção de observação.
Um modelo mais avançado usa prismas de reflexão total em vez de espelhos planos.
O primeiro periscópio foi inventado em 1902 pelo cientista Simon Lake e foi aperfeiçoado por Sir Howard Grubb (1844-1931) que herdou do seu pai uma fábrica onde construiu e desenvolveu, a uma escala industrial, periscópios e telescópios, sendo uma das empresas líder neste setor.
Durante a Primeira Guerra Mundial foi a fábrica de Sir Howard Grubb que forneceu a grande maioria dos periscópios procurados para serem usados como instrumento de guerra.
O periscópio utiliza-se para a observação de objetos a partir de trincheiras, carros de combate e, de um modo geral, a partir de locais protegidos. Usa-se também nos submarinos em imersão, para se poder observar a partir da superfície da água (cota periscópica). O periscópio naval tem incluído um telescópio. Nos submarinos atuais existem vários tipos de periscópio, de pesquisa e de ataque, em que é possível variar as ampliações da imagem, bem como obter uma visão zenital.
Desde a Segunda Guerra Mundial até aos anos 60 os periscópios existentes passaram dos 8-9 metros até aos atuais 14-15 metros.
Atualmente, o periscópio perdeu alguma da sua importância em favor do radar, devido em grande parte ao rasto que provoca na água quando o submarino se desloca, o que o pode facilmente denunciar.
Como referenciar: Porto Editora – periscópio na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-01-24 13:42:57]. Disponível em