personalidade

O objetivo das teorias da personalidade é o explicar, de uma perspetiva científica, o porquê das pessoas se comportarem como se comportam.
Existem várias respostas alternativas à definição de personalidade. Inicialmente, era entendida como uma imagem social superficial ou, por outras palavras, como uma personalidade pública que as pessoas projetam para o seu meio ambiente (governava a ideia que as pessoas utilizavam uma máscara). Uma outra noção surgiu e dizia respeito à personalidade como as características mais claras e salientes dos indivíduos. Neste sentido, ela era entendida como a impressão social que o indivíduo demonstra na sua relação com os outros. A noção mais correta e mais usual define a personalidade como um todo que é constituído por aspetos que vão desde o físico até aos domínios afetivos.
A personalidade inclui o carácter e o temperamento, que são duas coisas distintas. O primeiro diz respeito aos aspetos fundamentais da personalidade (é o domínio do emocional e do que é mais marcante no indivíduo), o segundo é constituído por toda a carga hereditária que influencia o comportamento (tudo aquilo que é estável ao longo das gerações diz respeito ao temperamento). Outra distinção que se pode fazer está relacionada com os traços de personalidade, estes traduzem-se na predisposição de uma pessoa para agir da mesma maneira num vasto campo de situações.
Podem apontar-se quatro características essenciais da personalidade: ela é específica de um único indivíduo, apesar de ele poder demonstrar alguns traços comuns a outros indivíduos; ela é um todo estruturado e organizado; ela é produto da história pessoal de cada indivíduo; e, quando solicitada como variável num estudo ou experiência, ela interfere e explica o comportamento dos humanos.
As teorias que estudam a personalidade surgiram da tradição clínica (modelo médico) e as primeiras datam de 1890-1900. Desta data em diante, surgiram inúmeras teorias da personalidade, entre as quais se destaca as que pela sua história muito contribuíram para o evoluir desta ciência - a psicologia.
A teoria dos traços, proposta inicialmente pelo psicólogo americano Raymond Cattell, dita que a personalidade são traços que não são mais do que a forma constante de comportamento que o indivíduo adota sob estimulação do meio ambiente. Assim, tem-se tendência para classificar as pessoas por grupos compostos por características específicas, como, por exemplo, os tímidos ou os extrovertidos.
A teoria das disposições, criada pelo psicólogo americano Gordon Allport, explica que a personalidade se forma a partir de traços comuns (características comuns a diferentes pessoas) e das disposições pessoais (características próprias das pessoas).
A teoria dos tipos do psiquiatra alemão Ernst Kretschmer foi uma das mais famosas e complexas teorias. Kretschmer, partindo da observação de casos patológicos, estabeleceu uma relação entre o físico e a doença e estabeleceu três tipos de constituição física às quais correspondem três tipos de personalidade (pícnico, atlético e leptossómico ou asténico).
A teoria proposta pelo psicólogo americano Carl Rogers trouxe uma conceção dinâmica da personalidade introduzindo os conceitos do self (significa um EU que não é estável, que é capaz de mudar, crescer e de se desenvolver) e do self ideal ("conjunto de características que o indivíduo gostaria de poder reclamar como suas").
A teoria de Abraham Maslow, psicólogo americano que apresenta influências da psicanálise, apresenta o conceito de auto-atualização (uso da exploração plena dos talentos, capacidades e potencialidades de cada um) e explica que é através dela que o ser humano se desenvolve e, portanto, a sua personalidade se enriquece.
E, ainda, por exemplo, a teoria psicanalítica da personalidade da autoria de Sigmund Freud, que apresenta uma teoria que assenta em três componentes básicas do nosso psiquismo: Id (reservatório de energia de toda a personalidade, regido pelo princípio do prazer); o Ego (estrutura que contacta com a realidade); e o Super-Ego (estrutura que age como um juiz das atividades e pensamentos do Ego).
São vários os métodos utilizados na exploração da personalidade. Entre todos eles, destacam-se os psicométricos que fazem uso dos inúmeros testes mentais e questionários existentes. Estes métodos classificam a personalidade de uma pessoa, por comparação a um grupo de referência.
Como referenciar: personalidade in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-09-19 06:02:45]. Disponível na Internet: