Peter Greenaway

Realizador inglês nascido na cidade galesa de Newport a 5 de abril de 1942. É um dos mais controversos cineastas contemporâneos muito devido ao visualismo exacerbado e erótico que impõe nos seus filmes. Com 12 anos, matriculou-se num curso de Pintura do Colégio de Artes de Walthamstow. O seu primeiro contacto com o mundo cinematográfico fez-se em 1965, como assistente de montagem dos filmes de uma agência governamental. Em breve já dirigia as suas primeiras curtas-metragens: entre 1966 e 1983, dirigiu 25 curtas-metragens documentais e de ficção. A Zed and Two Noughts (1985) foi a sua primeira longa-metragem e causou controvérsia pela forma provocante como Greenaway analisou a vida e a morte através da relação entre uma mulher com uma perna amputada graças a um acidente de viação e dois irmãos viúvos que perderam as suas esposas no mesmo acidente. O filme que lhe conferiu maior êxito a nível internacional foi o pouco ortodoxo The Cook, The Thief, His Wife and Her Lover (O Cozinheiro, o Ladrão, a Sua Mulher e o Amante Dela, 1989). Protagonizado por Tim Roth, Helen Mirren e Michael Gambon, foi uma sátira violenta à Inglaterra contemporânea com cenas de um grafismo bastante explícito que combinava erotismo com violência. Seguiu-se The Prospero Books (O Livro de Próspero, 1991), uma adaptação livre e algo erótica de uma peça de Shakespeare que possibilitou uma das grandes interpretações da carreira de Giegud, quase nonagenário à altura das filmagens. Depois do fracasso do controverso The Baby of Macon (O Bebé de Mâcon, 1993) onde satirizava de forma violenta a Inglaterra do séc. XVII, voltou a apostar no erotismo poético e transcendente em The Pillow Book (O Livro de Cabeceira, 1996). Continuou a filmar de forma contínua quer para televisão quer para cinema, embora sem resultados comerciais de monta. A exceção foi The Man in the Bath (2001), com ótima receção por parte do público britânico, mas que permaneceu inédito comercialmente em Portugal.
Como referenciar: Peter Greenaway in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-05-23 06:01:27]. Disponível na Internet: