pilha Hall-Heroult

A pilha Hall-Heroult deve o seu nome aos seus descobridores, o químico americano Charles Martin Hall (1863-1914), que em 1886 descobriu o processo, e ao químico francês Paul Heroult (1863-1914), que o descobriu independentemente no mesmo ano.
Esta pilha é eletrolítica, sendo usada industrialmente na extração de alumínio da bauxite. A bauxite começa por ser purificada por dissolução desta em hidróxido de sódio e é depois filtrada para eliminação dos constituintes insolúveis. Seguidamente precipita-se o hidróxido de alumínio por adição de dióxido de carbono e este hidróxido por aquecimento decompõem-se e origina óxido de alumínio puro (Al2O3).
Na pilha Hall-Heroult o óxido obtido anteriormente mistura-se com creolina para baixar o seu ponto de fusão, funde-se a mistura e eletrolisa-se, usando ânodos de grafite. O cátodo é o revestimento da pilha, também de grafite. O eletrólito (solução) é mantido num estado fundido a cerca de 850 ºC pela corrente.
No fundo da pilha acumula-se alumínio fundido que pode ser recolhido. No ânodo forma-se oxigénio originando uma oxidação gradual do ânodo.

Como referenciar: pilha Hall-Heroult in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-11-21 05:57:55]. Disponível na Internet: