plasma

Anatomia
Entre todos os tecidos do corpo, o sangue tem características únicas. Embora pareça ser um líquido homogéneo espesso, é constituído por componentes sólidos e líquidos. Essencialmente, o sangue é um tecido conjuntivo complexo no qual existem células sanguíneas vivas - elementos figurados - suspensas de uma matriz não viva denominada plasma.
Quando os elementos figurados são retirados do sangue, remanesce um volume de cerca de 55% de um líquido viscoso, de cor amarelo-palha - o plasma. O plasma, que é constituído por aproximadamente 90% de água, contém mais de 100 solutos diferentes dissolvidos, incluindo nutrientes, gases, hormonas, diversos desperdícios e produtos da atividade celular, iões e proteínas (albumina, proteínas condensadas e globulinas).
As proteínas plasmáticas, cerca de 8% em peso do volume do plasma, são os mais abundantes solutos do plasma. Com exceção das hormonas sanguíneas e gamaglobulinas, a maior parte das proteínas sanguíneas são produzidas no fígado. Contudo, as proteínas sanguíneas, servindo para uma enorme variedade de funções, não são utilizadas como nutrientes como a maior parte dos outros solutos existentes no plasma, tais como a glicose, ácidos gordos e oxigénio. A albumina constitui cerca de 60% das proteínas plasmáticas. É um importante estabilizador da pressão osmótica do plasma (a pressão que possibilita manter a água na corrente sanguínea). Os iões de sódio são outro dos solutos que contribuem para a manutenção da pressão osmótica do sangue.
A composição do plasma varia continuamente, com as células a remover e a adicionar substâncias ao sangue. Contudo, com uma dieta alimentar saudável, a composição do plasma mantém-se relativamente constante, devido aos mecanismos homeostáticos. Por exemplo, quando o nível de proteínas diminui para valores indesejáveis, o fígado é estimulado a produzir mais proteínas; quando o sangue tem tendência a tornar-se ácido (acidose), os sistemas respiratório e excretor são chamados a restabelecer o normal pH do plasma. São às dezenas os ajustamentos que os vários órgãos do corpo realizam dia a dia para manter os muitos solutos do plasma a níveis compatíveis com uma vida saudável.
Complementando o transporte de várias substâncias através do corpo, o plasma ajuda a distribuir a energia sob a forma de calor (subproduto do metabolismo celular) às diferentes partes do corpo.

Física
O plasma é a designação atribuída ao quarto estado da matéria. Este é formado por um fluído que se obtém mediante a ionização quase completa de um gás, inicialmente neutro, a temperaturas muito elevadas.
Neste fluído o número de eletrões livres é aproximadamente igual ao número de iões positivos.
Por este motivo, quando existem grandes volumes de plasma, este apresenta-se quase neutro, sendo por isso, um ótimo condutor elétrico.
Ao estudo dos plasmas é lhe atribuído o nome de física dos plasmas.
O plasma não se encontra na Terra em forma natural, aparece no espaço interestelar, nas atmosferas das estrelas incluindo o Sol, em tubos de descarga e em reatores termonucleares experimentais.
A produção de um plasma pode ser realizada por três métodos distintos: utilizando cargas elétricas intensas e aquecendo os elementos que circundam o gás neutro inicial; aquecendo o referido gás a temperaturas próximas dos 7000 ºC; ou aproveitando a ionização produzida pelos raios X e gama nos gases rarefeitos.
Um dos problemas mais difíceis de resolver é o da localização do plasma num lugar determinado (confinamento), tendo em conta que esta localização não se pode efetuar com recipientes convencionais. Usam-se campos magnéticos adequados e desta maneira o plasma pode ser confinado, de uma forma controlada, e atingir temperaturas entre 50 000 a 60 000 K (Kelvin).
Para a obtenção destas temperaturas efetuam-se reações de fusão entre núcleos de trítio e deutério (isótopos do hidrogénio), que permitem a libertação de grandes quantidades de energia.
Como referenciar: plasma in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-02-26 12:46:51]. Disponível na Internet: