Portucale

Este topónimo designou o país que veio a ser Portugal, sendo anteriormente a denominação de alguns locais e um condado. O topónimo resulta da junção de dois outros: portus (porto, em latim) e cale (passagem). Se tivermos em conta o facto de o rio Douro representar a fronteira entre a Galécia, a norte, e a Lusitânia, a sul, encontramos a justificação para este topónimo ter sido dado à atual cidade do Porto.
Designando uma povoação, o nome Cale aparece pela primeira vez no Itinerarium, obra do imperador Antonino Pio, escrita no século V. Pensa-se, no entanto, que será anterior àquela data, pois numa outra obra, contemporânea do bispo Idácio de Caves, Cale aparece já descrita como um centro urbano de considerável importância, um local perto de Coimbrões (Portucale castrum antiquum ).
A localização exata desta povoação foi tema de debate por parte de vários estudiosos e historiadores: Leite de Vasconcelos e Mendes Correia situam-na na margem direita do Douro, a norte - numa povoação cognominada Portucale castrum novum , de grande importância, tendo sido um dos locais onde na época visigótica se cunhava moeda e sede de bispado (da província romana da Galécia) desde o século VI.; Sousa Machado e Torcato Soares, por seu lado, são da opinião que Cale seria na margem esquerda do Douro, e portanto a sul do rio. Hoje em dia a maioria das opiniões tendem a concordar com a segunda tese. Desta forma a povoação nasce na margem Sul do Douro, um pouco para leste da estrada romana que vinha de Bracara Augusta em direção a Conímbriga. Mais tarde, uma nova povoação é formada no local em que esta estrada romana se cruza com o Douro. O novo povoado, que toma o nome de Portus Cale, vai crescer e abranger uma outra povoação mais antiga, da qual mantém o topónimo Galia , que se pensa viria a dar origem a Gaia .
Assim, na margem direita do Douro, a norte, não teria existido nenhuma povoação, apenas uma construção de carácter religioso, ligada a rituais pagãos, no local onde atualmente se ergue a Sé do Porto. Vai, contudo, desenvolver-se um cais, com o objetivo de dar apoio ao porto da margem sul do Douro. Com o tempo, as pessoas vão-se fixando em torno deste cais, nascendo um aglomerado urbano, que, a partir de 572-585 se converterá num bispado, adotando o nome da povoação mais próxima: Portucale.
Portucale viria a ter um papel de grande importância no processo da Reconquista Cristã e do repovoamento do território, pela sua localização em relação às vias de comunicação terrestres, pela sua proximidade ao mar e pela importância do seu porto. Sendo sede de um bispado, representava ainda um centro de poder e controlo cristão.
No século IX, após a reconquista e repovoamento cristão de Vímara Peres, a designação de Portucale é alargada e passa a referir-se a toda a região entre a margem direita do rio Ave e o sul do Douro.
A partir da primeira metade do século X, Portucale abrange já todo o território a Sul do rio Lima, começando para norte o território da Galiza.
Portucale, daria mais tarde origem ao Condado Portucalense sendo ainda a raiz do atual nome de Portugal.
Como referenciar: Portucale in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-04-20 05:34:09]. Disponível na Internet: