Povos Mediterrânicos na Península Ibérica

Com a entrada da Idade do Ferro inicia-se o povoamento histórico: os Iberos, localizados no Sul e Este da Península, os Celtas no Norte e Oeste. Em finais do segundo milénio aparecem no Sul os Tartessos, que estabelecem relações comerciais com o Oriente.
Como consequência das relações comerciais, estabeleceram-se na costa peninsular os Fenícios, que fundam as colónias de Gadir (Cádis), Ebusus (Málaga) e Abdera (Adra). Por volta de 630 a. C. chegam os Gregos focenses de Marselha, que fundaram Emporion (Ampúrias). Depois da primeira guerra púnica, os Cartagineses instalam-se na península, de onde dirigiram a sua luta contra os Romanos, facto que provocou a conquista da península por Roma. Os Romanos derrotaram os Cartagineses e fundaram colónias. Desde 206 a. C. que os Romanos ocuparam as costas mediterrânicas do Este e do Sul da península e daí penetraram para o interior. As novas terras foram consideradas um conjunto geográfico único com o nome de provincia de Hispania. Até ao princípio da nossa era, a Península Ibérica era dominada por Roma. Em finais do século II o Cristianismo estava já profundamente arreigado.
No ano de 711, os Árabes iniciaram a conquista da Hispânia sem encontrar qualquer resistência. Em três anos todo o território caiu nas mãos dos Muçulmanos, exceto pequenas zonas do Norte da península. Contudo, devido à reconquista cristã, por volta de 1270, só resta o reino muçulmano de Granada, que foi tomado pelos Reis Católicos, em 1492.
Como referenciar: Porto Editora – Povos Mediterrânicos na Península Ibérica na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-11-28 15:17:56]. Disponível em