predicado

Na gramática tradicional, o "predicado" designa o sintagma responsável pela atribuição de uma dada propriedade a uma entidade e pelo estabelecimento de uma relação entre sintagmas dentro de uma frase/proposição. O predicado é o núcleo de uma frase, em redor do qual se associam outros sintagmas obrigatórios (actantes) ou facultativos (circunstantes). O predicado é constituído por um predicador, entidade que tem capacidade para selecionar e fazer depender de si complementos (ou argumentos) e por argumentos, complementos selecionados e regidos pelo predicador cuja função é indicar as entidades do mundo que estão implicadas na situação gerada pelo predicador.
A gramática tradicional costuma atribuir a função de predicador quase exclusivamente ao verbo, que ao selecionar os seus complementos (ou argumentos) forma o predicado. Tradicionalmente, o predicado de uma frase é desempenhado pelo SV (sintagma verbal) que funciona assim como propriedade atribuída ao SN-SU (sintagma nominal-sujeito). Na frase seguinte, o SV "escreveram uma carta ao professor" constitui o predicado da frase porque atribui uma propriedade ao sujeito "os alunos" ou refere um estado de coisas.
i) [Os alunos] SU [escreveram (uma carta) OD (ao professor) OI] Predicado.
O papel sintático atribuído aos outros sintagmas da frase é definido em função da posição que ocupam e do grau de dependência que estabelecem com o predicador verbo. Na frase i), o predicador "escrever" seleciona dois argumentos ou complementos obrigatórios que desempenham as funções de objeto direto e de objeto indireto. Designa-se assim de predicador de dois lugares, porque possui dois argumentos potencialmente atualizáveis. O predicado pode ser assim de zero, um, dois, três ou x lugares, consoante o número de argumentos que seleciona e que atualiza. Os verbos são a classe predicativa por excelência, podendo selecionar o maior número de argumentos:
ii) Amanheceu. - predicado de zero lugares (no caso de verbos intransitivos e impessoais);
iii) Nasceu (uma flor). - predicado de um lugar (apenas seleciona SU);
iv) (O Pedro) assistiu (ao concerto). - predicado de dois lugares (seleciona um SU e um complemento preposicional com função de OBL);
v) (O Jorge) ofereceu (um anel) (à namorada). - predicado de três lugares (seleciona um SU, um OD e um OI);
vi) (A Cruz Vermelha) trouxe/levou (alimentos) (da Europa) (para Moçambique). - predicado de quatro lugares (seleciona um SU, um OD, dois complementos preposicionais um de origem e outro de destino).
Além do verbo, são predicadores e, por isso, capazes de 1) constituir núcleo de predicado, 2) selecionar argumentos e 3) atribuir funções, os adjetivos e os nomes e consequentemente os sintagmas adjetivais (SA) e os sintagmas nominais (SN):
vii) Estou contente por te ver. (predicador Adjetivo)
viii) Já não és digno da minha amizade. (predicador Adjetivo)
ix) A proibição de não fumar foi levada às últimas consequências. (predicador Nome)
x) O autor deste livro foi premiado. (predicador Nome)
A gramática tradicional costuma ainda considerar, dentro dos tipos de predicados cujo núcleo é um verbo, o predicado verbal e o predicado nominal. O predicado verbal é uma função sintática obtida pela combinação entre um verbo transitivo e os seus complementos (direto e/ou indireto/ preposicional):
xi) A ministra subiu os impostos novamente.
xii) A atriz confessou tudo aos jornalistas.
O predicado nominal, por seu lado, é formado por um verbo copulativo e por um complemento com função de predicativo (do sujeito, ou do objeto direto, ou do objeto indireto):
xiii) A Bárbara continua um espanto.
xiv) Sinceramente, eu considero-o um imbecil.
O conceito generativista de predicação relaciona-se com o conceito de valência, usado pela gramática de valências. A valência é definida como uma rede de relações criada à volta de uma unidade com capacidade de selecionar outras unidades. Estas unidades são designadas por "autossemânticas", "lexemas capazes de estabelecerem relações com outros lexemas, por força da sua semântica, dos seus traços sémicos, dos seus elementos componentes" (Gramática da Língua Portuguesa - M. Vilela, 1999: 34, Almedina). Os autossemânticos são assim os verbos, os nomes e os adjetivos.
Como referenciar: Porto Editora – predicado na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-10-17 11:22:00]. Disponível em