Prince

Cantor e compositor soul, Prince Rogers Nelson nasceu a 7 de junho de 1958, em Minneapolis (EUA), e faleceu a 21 de abril de 2016. Foi batizado a partir do nome do grupo Prince Roger Trio do qual seu pai fez parte.

Desde muito cedo tomou contacto com o mundo da música, desenvolvendo sozinho aptidões na composição e na execução de vários instrumentos. Foi de seu pai que recebeu a primeira guitarra. Com amigos de escola fundou os Grand Central, mais tarde Champagne.
Em 1978 editou o seu primeiro álbum, For You, pela editora Warner Brothers Records. Apresentando uma sonoridade funk e soul, impôs-se moderadamente no mercado norte-americano. Dele foi extraído o single "Soft And Wet".
Os quatro álbuns seguintes confirmaram a ascensão de um artista prolífico - um álbum por ano - e talentoso: Prince (1979), Dirty Mind (1980), o primeiro trabalho a incorporar uma forte vertente sexual, Controversy (1981) e 1999 (1982). Deste último surgiram temas como "1999", "Little Red Corvette" e "Delirious".

Sob a designação de "Prince And The Revolution" gravou Purple Rain (1984), álbum que atingiu os primeiros lugares das tabelas de vendas dos EUA. Composto como banda sonora para o filme autobiográfico com o mesmo nome, dele saíram temas como "When Doves Cry" e "Purple Rain". Valeu-lhe ainda um Óscar para a Melhor Banda Sonora.

Seguiram-se-lhe Around The World In A Day (1985) - primeiro lançamento da sua própria editora Paisley Park -, Parade (1986), Sign 'O' The Times (1987) e Lovesexy (1988), álbuns que o estabeleceram como uma das figuras mais marcantes dos anos 80. Singles como "Kiss", "Sign 'O' The Times", "I Could Never Take The Place Of Your Man", "U Got The Look", em dueto com Sheena Easton, "Alphabet St." e "Glam Slam" fizeram parte da história de uma década. Em 1987 gravou The Black Album, que, no entanto, só seria editado em 1994. Em 1989, compôs a banda sonora para um dos filmes do ano, Batman.

Os anos 90 abriram com Graffitti Bridge, álbum e filme de pouco sucesso. Já com os New Power Generation, gravou Diamonds And Pearls (1991), considerado pela crítica como o regresso ao seu melhor. Dele saíram temas como "Cream" e "Diamonds And Pearls".

Em junho de 1993 adotou como nome legal um símbolo, ao qual alguém chamou "Símbolo do Amor". Esta designação prolongou-se por dois anos. O álbum com o mesmo símbolo, editado em 1992, pela Warner Brothers, incluiu os êxitos "Sexy MF", banido das rádios inglesas, e "My Name Is Prince". Em 1993, foi editada a coletânea, The Hits/The B-sides.

Em meados dos anos 90 entrou em litígio com a editora. Na cerimónia dos BRIT Awards 1995, surgiu em palco com a palavra slave (escravo) escrita na testa em alusão a esse conflito. As suas entrevistas rarearam, preferindo dirigir-se aos media através de outras pessoas nomeadas por si para esse efeito.

Conhecido no meio musical por "The Artist Formerly Known As Prince" (O Artista Anteriormente Conhecido Como Prince), editou os seguintes álbuns: Come (1994), The Gold Experience (1995), que incluiu o êxito "The Most Beautiful Girl In The World", Chaos and Disorder (1995) e Emancipation (1996).

Em 14 de fevereiro de 1996, casou-se com Mayte Garcia, uma das cantoras do seu grupo. Prince foi ainda responsável pela ascensão de artistas como Sheila E. ou Wendy And Lisa. Compôs para as Bangles e Chaka Khan, entre outros.

Os últimos anos da década de 90 parecem ter afastado Prince do mediatismo de outros tempos, secundarizando o cantor no panorama musical internacional. O trabalho instrumental N.E.W.S. (2003) mostra novas orientações musicais, num trabalho relaxante e interessante. Seguiu-se Musicology (2004).

Desde que se libertou da Warner Brothers em 1995, Prince começou a produzir música que se afastava das correntes mainstream, dando azo à sua criação musical mais própria. O disco, o primeiro lançado por uma grande editora em cinco anos, pareceu uma redescoberta da sua identidade musical, apesar da queda da sua popularidade. Ainda assim, este registo conseguiu uma aproximação de Prince ao estatuto que teve, no apogeu dos anos 80.
Como referenciar: Prince in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-05-26 10:46:38]. Disponível na Internet: