Protestantismo

Designando um vasto conjunto de igrejas cristãs que, embora muito diferentes entre si, partilham princípios fundamentais como o da salvação pela graça de Deus mediante a fé, o reconhecimento da Bíblia como autoridade suprema e o sacerdócio comum de todos os fiéis, a ideia de Protestantismo tem origem no protesto de seis príncipes luteranos e catorze cidades alemãs a 19 de abril de 1529, quando a II Dieta de Spira, convocada por Carlos V, revogou uma autorização concedida três anos antes, que permitia que cada príncipe determinasse a religião do seu próprio território. O conceito foi mais tarde alargado a todas as formas e confissões cristãs que se separaram da Igreja Católica a partir do século XVI.
Constituindo uma importante divisão no seio da Cristandade, o Protestantismo desenvolveu-se, desde o início, sob diversas formas. Tal, teve origem fundamentalmente na existência de divergências entre as igrejas, apesar de as ideias essenciais dos primeiros reformadores terem permanecido inalteradas na maioria dos grupos protestantes. Assim, já no século XVI se assistiu à progressiva divisão das primeiras igrejas protestantes, dando origem a quatro grandes grupos:
- as igrejas reformadas (presbiterianas) da Europa Ocidental e da América do Norte, surgidas da Reforma suíça de Zwingli e de Calvino (cujas ideias deram origem a um grande número de grupos protestantes) e que estão reunidas, atualmente e em grande parte, sob a Aliança Reformada Mundial; - as igrejas luteranas, presentes fundamentalmente na Alemanha, Escandinávia e América do Norte, que têm origem, a nível ideológico, na reforma primitiva de Wittemberg e na confissão de Augsburgo, e são fiéis à doutrina de Lutero. Estas igrejas vieram a unir-se na atual Federação Luterana Mundial;
- a igreja anglicana, que se baseia na reforma iniciada na Inglaterra na época de Henrique VIII e cuja autonomia foi restabelecida por Isabel I com a promulgação, em 1563, dos Trinta e Nove Artigos (compilação das doutrinas cristãs consideradas fundamentais pelo Protestantismo anglicano), após o conturbado período católico de Maria Tudor (1553-1558);
- o grupo das comunidades independentes e autónomas com origem no Calvinismo e no Anglicanismo, que se dividiu em diversas igrejas informais (denominadas seitas), tais como as batistas, metodistas (muito influenciadas pelo movimento pietista, que, surgido na Alemanha no final do século XVII, se opunha ao Iluminismo), congregacionalistas, adventistas, pentecostalistas, testemunhas de Jeová, etc.
Apesar das diferenças que separam as várias vertentes do movimento protestante, há elementos fundamentais em comum, como já foi dito. Com base nesses elementos realizou-se um diálogo ecuménico, que já em 1910 esteve na origem da Conferência Missionária Mundial. Mais recentemente, esse diálogo tem-se intensificado entre as confissões protestantes e a própria Igreja Católica. Há sinais de abertura de parte a parte mas persistem as discordâncias quanto a algumas questões essenciais, como a ordenação de mulheres.
Na História moderna, a oposição entre Catolicismo e Protestantismo ultrapassou frequentemente a esfera da consciência pessoal para se tornar uma questão política, sendo certo que muitas vezes a religião surgia aliada a interesses militares, estratégicos e comerciais. Verdadeiras inimizades entre estados católicos (como a Espanha e a França) e estados protestantes (como a Holanda e a Inglaterra) marcaram o rumo dos acontecimentos na Europa e nas colónias. Um exemplo dessa inimizade é o episódio da Armada Invencível.
Como referenciar: Protestantismo in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-07 19:43:57]. Disponível na Internet: