Pulp

Banda rock inglesa, formada por Jarvis Cocker em 1978. Com apenas 15 anos, juntou-se a alguns colegas de escola e começou a fazer pequenos concertos. As atividades do agrupamento culminaram na gravação de uma maqueta, que acabou por ser apresentada a John Peel, que gostou do que ouviu e convidou a banda para uma das suas "Peel Sessions", em novembro de 1981. O que supostamente seria uma porta aberta para o sucesso, cedo se viu que em nada resultou. Os Pulp acabariam por se separar em 1982 e só mesmo Cocker não deixou a banda para ir para a Universidade.
Um ano depois, Jarvis refez o agrupamento, desta vez com mais oito membros, entre os quais o teclista Simon Hinkler, que mais tarde acabaria por partir para os The Mission. O som da banda situava-se, nesta altura, em campos da new wave, seguindo a tradição britânica musical da altura. Os Pulp conseguiram finalmente gravar o seu primeiro álbum. It, de 1984, teve, contudo, o mesmo destino que a gravação feita com John Peel havia tido. O impacto menor do registo acabou por levar a nova separação do grupo. Mas Jarvis não desistiu e, mais tarde, convidou o guitarrista Russel Senior, o baterista Magnus Doyle, o baixista Peter Mansell e ainda Tim Allcard, cujas funções não estavam claramente definidas e que acabou por sair em 1985. Ainda antes do lançamento de vários singles na editora Fire Records, entrou para os teclados Candida Doyle, que acabou por ditar uma mudança no género tocado pelos Pulp - o folk new wave do primeiro disco era agora um som mais introspetivo. Quando tudo parecia correr bem, Jarvis sofreu uma queda que lhe valeu uma série de fraturas. Apesar de estar confinado a uma cadeira de rodas durante mais de dois meses, o vocalista ainda deu alguns concertos nessa situação.
O segundo álbum foi lançado em 1986. Com Freaks, a música dos Pulp era agora uma experiência mais complexa e alternativa. Mas, problemas surgidos após as filmagens do vídeo "They Suffocate At Night" provocaram novas saídas, restando Jarvis e Russel. No ano seguinte, Candida Doyle regressou, trazendo consigo o baterista Nick Banks e Steven Havenhand para o baixo, que não ficou por muito tempo, dando lugar a Anthony Genn, que acabou também por sair para a entrada de Steve Mackey. Passado um ano, os Pulp pareciam não conseguir obter os elementos necessários para uma estável continuação da atividade. Cocker acabou por se mudar para Londres, juntamente com Mackey, para estudarem cinema. O convite para a gravação de um novo álbum surgiu. As gravações de Separations decorreram durante o ano de 1989, para um álbum que foi editado três anos mais tarde. O single "My Legendary Girlfriend", saído um ano antes, significou por fim o salto dos Pulp para a fama.
Os Pulp deixaram a editora Fire Records depois do lançamento do álbum e passaram para a Gift. Os singles lançados de seguida perpetuaram os resultados alcançados com "My Legendary Girlfriend", nomeadamente o single "Babies" que ajudou à assinatura do contrato com a editora Island. O lançamento da coletânea PulpIntro, um conjunto dos singles gravados pelos Pulp na editora Gift, foi o passo que se seguiu. Em 1994, foi lançado His N Hers, um álbum que consolidou os Pulp como banda de referência no então brit pop. O disco chegou ao Top10 britânico, para além de ter ganho um Mercury Award, os prémios da indústria musical inglesa. Mas o triunfo junto das massas aconteceu em maio de 1995, com o single "Common People", que entrou diretamente para o segundo lugar das tabelas de vendas britânicas. O quarto álbum dos Pulp, Different Class, saiu ainda em 1995 e entrou de imediato para o número um do top inglês. Os Pulp estavam agora definitivamente estabelecidos como uma banda de culto em Inglaterra.
Os Pulp começaram então uma digressão mundial que terminou no início de 1997, altura em que Russel Senior deixou a banda, acabando assim com uma colaboração de mais de 13 anos. O álbum This Is Hardcore, lançado em 1998, foi sucedido, em 2001, por We Love Life, depois de várias mudanças de nome. Um álbum centrado nos aspetos positivos da vida, quase todos relacionados com a natureza, e com a mais-valia de ter sido produzido por Scott Walker, que fez deste o trabalho mais ousado, musicalmente falando, da banda de Jarvis Cocker.
Como referenciar: Porto Editora – Pulp na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-10-20 05:06:13]. Disponível em