PVDE (Polícia de Vigilância e Defesa do Estado)

Em 1933, é criada em Portugal uma polícia política de carácter secreto, PVDE, sucedendo a instituições da mesma natureza criadas durante a Ditadura Militar (1926-1933), que por sua vez mais não eram do que as sucessoras de polícias especiais da República. A grande novidade que esta polícia apresenta reside no seu carácter nacional, já que as suas congéneres anteriores tinham apenas âmbito local e mesmo predominantemente urbano (Polícias de Informação de Lisboa e do Porto, por exemplo). A criação de uma polícia com competência nacional, com autoridade para investigar atividades de carácter político e social lesivas dos interesses do regime, controlar o movimento de fronteiras e a presença de estrangeiros em território nacional, foi uma decisão política pessoal de Salazar. A polícia assim constituída, no entanto, enfermava de diversas debilidades, quer pela deficiente preparação técnica dos seus quadros, quer pela insuficiente cobertura do território ou ainda pela ausência de meios técnicos de comunicação, além de outros. Em 1945, terminada a Segunda Guerra Mundial, inicia-se a Guerra Fria e Salazar substitui a PVDE por um organismo centralizado, de âmbito nacional, dotado de amplos poderes e meios técnicos, humanos e financeiros, que continuará a missão de defender o regime contra as diversas oposições que lhe pudessem fazer frente - a PIDE (1945), mais tarde substituída pela DGS (1968).
Como referenciar: PVDE (Polícia de Vigilância e Defesa do Estado) in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-11-12 04:29:26]. Disponível na Internet: