relação diagonal

A relação diagonal consiste numa relação da Tabela Periódica na qual certos elementos do segundo período têm uma grande semelhança química com os seus vizinhos na diagonal do grupo seguinte no terceiro período.
A razão desta relação é uma combinação das tendências para aumentar de tamanho para baixo no grupo e para diminuir ao longo do período e, um efeito semelhante, mas invertido, na eletronegatividade.
Esta relação observa-se em particular nos seguintes pares: lítio e magnésio; berílio e alumínio e boro e silicato. No lítio e magnésio ambos formam cloretos e brometos que se hidrolisam lentamente e são solúveis em etanol. Ambos formam nitratos cristalinos incolores ou levemente coloridos por reação direta com azoto a temperaturas elevadas; ambos ardem no ar apenas com a formação do óxido normal e ambos formam carbonatos que se decompõem por aquecimento.
No par berílio e alumínio ambos formam óxidos altamente refratários com compostos polimorfos; ambos formam nitratos cristalinos que são hidrolisados na água e ambos os metais se dissolvem em bases.
No boro e silicato ambos apresentam propriedades semicondutoras; ambos formam híbridos que são instáveis no ar e cloretos que se hidrolisam em ar com humidade e ambos formam óxidos acídicos, com estruturas covalentes.

Como referenciar: Porto Editora – relação diagonal na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-09-24 17:05:07]. Disponível em