relações de vizinhança

É relativamente incontroverso que, principalmente nas áreas rurais, sobretudo devido aos mecanismos ligados à posse e ao trabalho da terra, as relações entre indivíduos são mediatizadas pela sua pertença familiar e pelo lugar que ocupam na família.
São, na realidade, relações com outras famílias e o quadro espacial que as envolve, associando, frequentemente, a residência e a atividade económica, que determinam formas de sociabilidade específicas e se manifestam no seio de um grupo, denominado, por P. Cabral, como 'grupo primário informal de vizinhança'.
Neste sentido, relações de vizinhança e comunidade encontram-se interligados, uma vez que comunidade, em termos globais, poderá ser entendida como um complexo de relações sociais.
A dimensão experimental das comunidades não é independente da sua dimensão estrutural, uma vez que o sentimento de pertença a uma comunidade funda-se diretamente nas relações sociais entre os diversos membros que se encontram em constante intercomunicação, num conjunto de interesses comunalmente definidos.
Como referenciar: Porto Editora – relações de vizinhança na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-09-29 02:17:13]. Disponível em