relaxamento

Relaxamento é uma técnica que pretende restabelecer um equilíbrio psicotónico. As técnicas do relaxamento constituem um conjunto de procedimentos de intervenções úteis, não só no âmbito da psicologia clínica e da saúde, como também no da psicologia aplicada em geral e da psicanálise. Um dos métodos mais comuns de relaxação é a relaxação muscular progressiva introduzida por Jacobson em 1929. Jacobson foi um dos pioneiros da relaxação e trabalhava com sujeitos hipertensos. Partia do princípio que existem fatores psicológicos que provocam hipertonia muscular, stress, ansiedade, etc. A abordagem é essencialmente fisiológica, mas quando trabalha o corpo provoca efeitos psicológicos mais desinibidos.
Na aplicação da relaxação à terapia comportamental, a pessoa deve estar confortavelmente deitada ou sentada, cada sessão tem a duração de 30 minutos, duas vezes por semana durante um ano e pretende-se que a pessoa aprenda as técnicas e depois as possa utilizar sozinha sem a ajuda do terapeuta. O método consiste na utilização de contrastes entre situações de crispação muscular e descontração. Começa-se por trabalhar grandes zonas musculares, por exemplo um braço, e progressivamente vai-se trabalhando zonas cada vez mais pequenas, por exemplo, a mão, o dedo, a falange. Numa etapa seguinte, utiliza-se a focalização e concentração no tórax e sua contração e usando a respiração para repelir e conter o ar, na última etapa, tenta-se que o sujeito sinta alterações musculares ao imaginar uma cena e se isso acontecer pretende-se que relaxe os músculos contraídos; o importante é passar toda essa técnica para a vida quotidiana.
O relaxamento autógeno de Shultz surge em 1932 na Alemanha e é elaborada a partir das manifestações psicofisiológicas da hipnose, ou seja o sono, sensação de peso e de calor, etc. É uma das técnicas mais conhecidas de relaxamento, consistindo numa série de frases que induzem à autossugestão e proposição de bem-estar. Shultz era professor de Neurologia e Psiquiatria e trabalhava com sujeitos psicóticos onde utilizava a hipnose. Nesta técnica a ideia centra-se em que se pode partir da sensação de peso e calor para chegar a um estado de alteração da consciência - auto-hipnose. O sujeito provoca alterações no seu estado tónico num processo de autodescontracção concentrativa. Numa primeira etapa, que dura de dois a seis meses, com duas sessões por semana, de apenas 5 minutos cada, pois cria sensações muito fortes, o indivíduo faz o exercício três vezes por dia durante 15 dias de treino e passa-se a outro exercício se o último for assimilado. As sessões vão aumentado até à uma hora de duração. Trabalha-se ao nível muscular, de respiração, indução de repouso e exercício de peso.
Existem muitas técnicas de relaxamento todas com o mesmo objetivo, a de proporcionar a tomada de consciência sobre o próprio corpo e de ensinar o indivíduo a relaxar os músculos por vontade própria, através da perceção cognitiva do que é estar tenso ou relaxado. Muitas pessoas estão tão habituadas a um estado de tensão crónica que já não têm consciência deste facto. O relaxamento físico dos músculos, e em especialmente o relaxamento muscular progressivo, baseado no retesamento e no relaxamento dos principais grupos musculares do corpo, apresenta muitos benefícios. Além de diminuir a tensão acumulada, esta técnica torna-nos conscientes da resposta muscular do corpo ao stress. Pode ser obtido um relaxamento mental mais profundo através de vários métodos, como treinamento autogénico para a moderação e meditação, que exigem um ambiente tranquilo, longe do barulho e interrupções. Quando estamos em relaxamento profundo, a nossa respiração, bem como os nossos pensamentos, tornam-se calmos. Assim como a ansiedade antecipada e os pensamentos negativos podem desencadear a reação de stress, os pensamentos positivos e a visualização de uma cena agradável e serena podem produzir calma e tranquilidade. Uma vez adquirida uma certa prática, alguns minutos de relaxamento são suficientes para restaurar e reequilibrar a mente e o corpo. Quanto mais praticarmos exercícios de relaxamento, mais longa será a duração dos seus efeitos. Gradualmente, o estado de relaxamento torna-se parte da nossa personalidade, criando uma melhor eficiência e desempenho, além de melhorar a qualidade de vida em geral.
Indicações para relaxamento: indivíduos normais em qualquer idade, patologias com distúrbios psicomotores, deficiência intelectual, distúrbios da linguagem, por exemplo em gaguez ou dislexia, ansiedade, obsessão, distúrbio do sono, neuroses, psicossomática, tais como asma, colite, doenças cardiovasculares, e em reumatologia.

Como referenciar: relaxamento in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-10-15 07:00:14]. Disponível na Internet: