Renascença. Revista mensal de crítica. Literatura. Arte. Sciencia

Revista lançada em Lisboa, em fevereiro de 1914. Na primeira página, no artigo "De Início...", a própria revista dirige-se diretamente ao leitor, apelando para a sua compreensão e explicitando a sua aspiração: se "sentires [Leitor amigo] todo o meu sonho, procurarei voar, voar, aventurando-me no éter confuso e indeciso onde tantos limites se buscam e se não atingem, e se no meu caminho vago, idealista, encontrar qualquer novo fulgor divino, subtil, vaporoso, que tu possas sentir tão bem como eu, trar-to-ei dentro em minha alma para te poder deslumbrar com o encantamento leve, apaixonante do seu verbo [...]". Numa etapa de transição entre o Simbolismo e o Decadentismo e tentativas paúlicas e interseccionistas, na sua colaboração, destacam-se, entre outros, Mário de Sá-Carneiro, apresentando Além como uma tradução portuguesa de Petrus Ivanovitch Zagoriansky, Fernando Pessoa, com Impressões de Crepúsculo, e Alfredo Guisado, com Asas Quebradas.
Como referenciar: Renascença. Revista mensal de crítica. Literatura. Arte. Sciencia in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-10-18 14:27:21]. Disponível na Internet: