retórica comunicativo-funcional

Modo de comunicação do século XX, centrada na comunicação social, na empresa e restantes organizações, públicas ou privadas, apelativas de formas discursivo-textuais novas que a sociedade cria a partir do património linguístico colocado à sua disposição e utiliza nas práticas de comunicação, independentemente da atitude da escola perante elas. Trata-se de uma retórica administrativo-organizacional, jornalística e publicitária, assente no dispositivo. A tipologia textual é diversificada e encontra-se em aberto, dependendo da evolução da sociedade e das novas tecnologias de informação. Trata-se de uma retórica entrevista por Cícero em De Oratore (Liv. II, 12), ao referir que as reprimendas, admoestações, as exortações, as consolações, assim como as instruções e os avisos, exigem muita eloquência, embora os retores os não incluam nos seus tratados. Todavia, o autor reconhece que abrem uma carreira imensa, dividindo a arte oratória em dois géneros: um, que reúne as questões particulares e as determinadas, como as discussões judiciais ou as deliberativas públicas, às quais podemos juntar os panegíricos; outro, que tem por objeto as questões onde não se determina nem o tempo nem as pessoas e até os autores que o admitem não parecem conhecer dele nem a natureza nem a extensão.
Como referenciar: retórica comunicativo-funcional in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-08-24 12:01:22]. Disponível na Internet: