Robert Duvall

Ator norte-americano, Robert Duvall nasceu a 5 de janeiro de 1931, em San Diego. Filho de uma tradicional família de militares, juntou-se ao exército americano durante a guerra da Coreia. Após dois anos de serviço militar regressou ao seu país, instalando-se em Nova Iorque para estudar Teatro. No início da sua carreira, alternou os palcos com a televisão, tendo surgido em episódios de séries de culto como The Untouchables (Os Intocáveis, 1959) e Twilight Zone (A Quinta Dimensão). Estreou-se no cinema com um importante papel secundário ao lado de Gregory Peck em To Kill a Mockingbird (Na Sombra e no Silêncio, 1962). Rapidamente tornou-se um dos atores secundários mais requisitados pelos grandes realizadores de Hollywood, ocupando papéis em Bullitt (1968), de Peter Yates, True Grit (Velha Raposa, 1969), de Henry Hathaway, MASH (1970), de Robert Altman, e THX-1138 (1971), de George Lucas. Mas foi Francis Ford Coppola quem lhe conferiu os papéis mais emblemáticos da sua carreira. O papel de Tom Hagen, advogado da Mafia em The Godfather (O Padrinho, 1972) valeu-lhe uma nomeação para o Óscar de Melhor Ator Secundário. Repetiu o papel na sequela The Godfather Part II (O Padrinho II, 1974) e lançou-se na personificação de papéis dramaticamente exigentes: o executivo de uma estação televisiva em Network (Escândalo na TV, 1976) e o inesquecível Tenente-Coronel Kilgore que adorava o cheiro do napalm pela manhã em Apocalypse Now (1979) que lhe valeu nova nomeação para o Óscar de Melhor Ator Secundário. No ano seguinte, no filme de baixo orçamento The Great Santini (A Fúria dum Herói, 1980), Duvall recebeu nova nomeação, desta vez para a categoria de Melhor Ator pelo papel de veterano da Marinha que se revela um pai tirânico. O reconhecimento da Academia surgiu com Tender Mercies (Amor e Compaixão, 1983), onde personificou um cantor de música country em declínio que recebe um novo alento na vida quando se apaixona por uma jovem viúva. Curiosamente, Duvall compôs todas as músicas da trilha sonora do filme. O Óscar de Melhor Ator foi uma recompensa justa e proporcionou a Duvall uma escolha mais criteriosa dos seus projetos seguintes: Colors (Los Angeles a Ferro e Fogo, 1987), a série televisiva Lonesome Dove (O Céu Como Horizonte, 1988), Days of Thunder (Dias de Tempestade, 1990), Rambling Rose (Rosa, Uma Mulher de Fogo, 1991), The Scarlett Letter (Adultério, 1995) e Phenomenon (Fenómeno, 1996). Em 1997, surpreendeu pela positiva os cinéfilos ao produzir, realizar, escrever e interpretar The Apostle (O Apóstolo, 1997), um filme sobre um pastor protestante mulherengo que assassina a sua mulher ao apanhá-la em flagrante adultério. Por esse filme, recebeu uma nova nomeação para o Óscar de Melhor Ator. As suas últimas grandes prestações foram como negociador de reféns em John Q (2002) e como velho pistoleiro em Open Range (A Céu Aberto, 2003).
Como referenciar: Porto Editora – Robert Duvall na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-10-16 01:59:29]. Disponível em