Rosa Passos

Cantora, compositora e instrumentista brasileira, Rosa Maria Faria Passos nasceu no dia 13 de abril de 1952, em Salvador na Baía, no Brasil. Crescendo num ambiente familiar sempre marcado pela música, começou a ter aulas de piano em idade muito jovem, passando depois para a guitarra. Na adolescência, já escrevia as suas primeiras composições e, com elas, registou as primeiras aparições públicas, em alguns clubes baianos. Em 1979, com 27 anos, estreou-se nas lides discográficas, com temas de sua autoria e letras de Fernando de Oliveira, parceiro artístico que manteria nos anos seguintes. Apesar da boa receção da crítica ao debute, Rosa Passos só regressaria aos palcos seis anos depois. Desde esse retorno, a sua trajetória registou uma ascensão ímpar à primeira linha da música brasileira, rendendo-lhe a alcunha de "João Gilberto feminino".

A primeira atuação em solo americano aconteceu em 1996, a convite de Óscar Castro Neves, numa sensacional performance, no Hollywood Bowl, em Los Angeles. Ainda nesse ano, estreia no Japão também, ao lado do saxofonista Sadao Watanabe. O crescimento da sua legião de admiradores além-fronteiras justificaria passagens por diversos países, como Espanha, Alemanha, Suíça, Dinamarca, Noruega, Suécia, Colômbia, Cuba e Uruguai. Nesta fase, colaborou com Ivan Lins e Chucho Valdez no memorável espetáculo Cubadisco, em Havana. Também ficou famosa a sua atuação perante um Lincoln Center lotado, em tributo a Elis Regina. Em 1999, integraria o programa das comemorações do 50.º aniversário da democracia alemã, juntando-se a Paquito D'Rivera e à WDR Big Band, em Colónia e Bona, com canções suas e alguns clássicos do cancioneiro brasileiro. Ainda nesse ano, também participaria no festival de jazz de Berna. No Brasil, com um extenso catálogo de gravações, Rosa Passos seria um dos artistas convidados por Almir Chediak para o projeto Words and Melody, uma celebração dos grandes compositores da música brasileira. As suas gravações, com canções de Tom Jobim e Ary Barroso, foram um êxito estrondoso, no Brasil e no exterior, com as novas interpretações de "Aquarela do Brasil" (Barroso), "Desafinado", "Samba de Uma Nota Só" e "Garota de Ipanema" (todas de Jobim) a merecerem algum destaque.

Apresentando-se em dois trabalhos premiados com Grammy do violoncelista Yo-Yo Ma, a voz de Rosa Passos chamaria a atenção da editora Sony. Em 2004, assina um compromisso com a Sony Classical e estreou, no mesmo ano, o título Amorosa com canções de um álbum clássico de João Gilberto, Amoroso (1977), e outras faixas, como " 'S Wonderful", de George Gershwin, o clássico latino "Besame Mucho" e um tributo pessoal a João Gilberto, o trecho "Essa é Pr'o João". O clarinetista Paquito d'Rivera e o percussionista Cyro Batista integraram o rol de músicos do disco. O trabalho seria alvo de uma digressão promocional que passaria pelas principais cidades da Europa, dos EUA e do Japão.
Discografia
1979, Recriação
1991, Curare
1993, Festa
1996, Pano pra manga
1997, Letra & Música Ary Barroso-Rosa Passos & Lula Galvão
1998, Rosa Passos canta Antônio Carlos Jobim
1999, Morada do samba (1999)
2000, Rosa Passos canta Caymmi
2002, Me and my heart
2002, Azul
2003, Entre Amigos
2004, Amorosa

Como referenciar: Rosa Passos in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-11-17 04:48:29]. Disponível na Internet: