Roy Scheider

Ator norte-americano, Roy Richard Scheider nasceu a 10 de novembro de 1932, em Orange, New Jersey e faleceu a 10 de fevereiro de 2008, em Little Rock, Arcansas. Inicialmente, tencionava ter uma carreira no desporto, já que em adolescente praticou basebol e boxe. No entanto, mudou de ideias quando estudou Representação na Universidade de Rutgers e no Colégio de William and Mary. Depois de ter passado três anos na Força Aérea Americana, estreou-se no teatro em 1961, numa encenação de Romeu e Julieta do Festival Shakespeare de Nova Iorque. Passou os anos seguintes a interpretar papéis clássicos no teatro até 1968, ano em que ganhou o prémio "Obie" pela peça Stephen D. Entretanto, tinha-se estreado de forma pouco auspiciosa no cinema, em 1964, em The Curse of the Living Corpse, um mau filme de terror.
Em 1971, contudo, participou em dois filmes de sucesso: Klute, de Alan J. Pakula; e especialmente The French Connection (Os Incorruptíveis Contra a Droga), de William Friedkin, um esplêndido policial que lhe permitiu obter uma nomeação para o Óscar de Melhor Ator Secundário pelo papel de parceiro de Gene Hackman. Depois participou em The Seven Ups (1973), fazendo novamente de polícia. Para evitar ficar associado a apenas um tipo de papéis, decidiu entrar em 1975 na comédia romântica Sheila Levine is Dead and Living in New York, que foi um fracasso. No mesmo ano, porém, protagonizou o filme que o tornaria uma estrela, assim como ao seu realizador: Jaws (Tubarão), de Steven Spielberg. Gigantesco sucesso de bilheteira onde Scheider interpreta o papel de um chefe da polícia de uma pequena comunidade balnear aterrorizada pelos ataques de um tubarão branco.
Em 1978, recusou o papel de Michael (que ficou depois para Robert De Niro) em The Deer Hunter (O Caçador), por discordar do argumento, o segundo de três filmes para os quais tinha contrato com a Universal. Em compensação, concordou em participar na sequela de Tubarão (Jaws 2), o que resolveu a questão contratual com o estúdio.
O ano seguinte foi um dos melhores da sua carreira. Participou no thriller de Jonathan Demme Last Embrace (O Último Abraço) e obteve a nomeação para o Óscar de Melhor Ator por All That Jazz (O Espetáculo Vai Começar), de Bob Fosse. Trata-se de um musical autobiográfico em que interpreta o autodestrutivo coreógrafo Joe Gideon (alterego de Bob Fosse), naquela que é talvez a sua melhor interpretação de sempre, premiada no Festival de Cannes.
Nas décadas seguintes, não conseguiu papéis de grande relevo, destacando-se, apesar de tudo, algumas participações interessantes: Blue Thunder (Operação Thor, 1983), 2010 (2010 - O Ano do Contacto, 1984), The Russia House (A Casa da Rússia, 1991) e Naked Lunch (O Festim Nu, 1991), de David Cronenberg.
Em 1993, regressou à ribalta protagonizando a série televisiva de ficção científica SeaQuest DSV, produzida por Spielberg.
Como referenciar: Roy Scheider in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2021. [consult. 2021-01-21 09:27:39]. Disponível na Internet: