Rumores Vulcânicos

Obra dedicada a Teófilo Braga, destinada, segundo o autor, a "dar mais uma machadada no tronco secular e carcomido das velhas instituições e lendas" e a "trazer mais uma pedra para o edifício gigantesco do futuro, para o templo da Humanidade", dividida em três livros: "Ecos filosóficos", "Lavas da revolução" e "Auras do porvir". Na obra, predominam as temáticas filosóficas e científicas, manifestas já nos títulos das composições - "Matéria e força viva", "Criação do mundo", "A Terra", "O Mar" - e nos autores citados em epígrafes - Vico, Michelet, Quinet, Hugo, Teófilo Braga. A confiança no progresso, a crença no percurso heroico da Humanidade, que rompe com "os enganosos mitos" e busca "a deslumbrante Ideia" ("Aos mineiros do progresso", "Prometeu no Cáucaso", "O Homem": "Oh! segue, segue, vai, a fronte sempre altiva/ Apartando-te mais da senda primitiva/ Em busca de um futuro e resplendente sol"), coexistem com a crítica aos vícios e às desigualdades sociais, próprios de uma "época de transição", anterior à revolução que se avizinha ("O Proletário", "O pesadelo dos reis", "A Enjeitada", "Dies irae", "A Justiça", "A República").
Como referenciar: Rumores Vulcânicos in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-11-29 02:04:18]. Disponível na Internet: