Samora Machel

Líder nacionalista moçambicano nascido a 29 de janeiro de 1933, em Chilembene, na província de Gaza, e falecido a 19 de outubro de 1986, em Mbuzini, África do Sul. Exerceu a função de auxiliar de enfermagem no hospital de Lourenço Marques (Maputo), antes de se tornar membro da Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO). Ativista ao serviço do movimento desde a sua fundação em 1962, viajou por outros países africanos para receber treino militar. Liderou várias operações militares e foi nomeado secretário da defesa, em 1966, e comandante-chefe, em 1968, da FRELIMO. Em 1969, o presidente do movimento, Eduardo Mondlane, foi assassinado e, pouco tempo depois, Samora Machel assumiu o cargo em sua substituição. Durante a guerra pela independência conheceu aquela que viria a ser sua segunda mulher (a primeira, Josina Machel, faleceu aos 25 anos), Graça Machel, ativista da FRELIMO e defensora dos Direitos Humanos e das crianças. Após a proclamação da independência, a 25 de junho de 1975, tornou-se o primeiro Presidente da República de Moçambique. Optou pelos ideais marxistas-leninistas e pelo apoio da China e da URSS. Teve de enfrentar, até à sua morte, a guerra civil, tendo como oposição a Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO). Desempenhou o cargo de Presidente até outubro de 1986, altura em que um acidente de avião lhe causou a morte. Foi substituído por Joaquim Chissano na presidência do país.
Como referenciar: Samora Machel in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-01-21 15:27:23]. Disponível na Internet: