São Bonifácio

Nascido com o nome de Winfrido, provavelmente no reino de Wessex, na Inglaterra, em 675, embora existam defensores da sua naturalidade irlandesa e escocesa, em Crediton, no Devonshire, morreu como mártir, em Dokkum, na Frísia, a 5 de junho de 754. Descendente de uma família nobre, recebeu uma educação religiosa e desde muito cedo revelou uma grande inteligência. Apesar dos seus pais lhe terem destinado a vida secular, a visita de uns monges missionários à casa de família despertaram-lhe a vocação religiosa. Depois de muitas dificuldades, obteve a permissão paterna para entrar no mosteiro de Adescancastre, na atual Exeter, onde esteve sob a direção do Abade Wolfhard. Sete anos mais tarde muda-se para a Abadia de Nhutscelle (Nutshalling), onde leva uma vida austera e de estudo sob a direção do Abade Winbert e onde rapidamente evolui em termos de santidade e conhecimentos, especialmente na compreensão profunda das Escrituras, mas também em história, gramática, retórica e poesia. Professou como monge segundo a Regra de São Bento, tendo-lhe sido dada a direção da escola monástica, e aos 30 anos foi ordenado padre. A sua fama de estudioso e grande pregador chegou aos mais altos círculos civis e religiosos, perspetivando-lhe uma auspiciosa carreira monástica no seu país. Sem qualquer desejo de honras e glórias, São Bonifácio quis fazer-se missionário na Germânia, conseguindo a permissão do seu abade após muitos pedidos.
Em 716 partiu para a Frísia em missão mas distúrbios políticos obrigaram-no a voltar para Inglaterra. Em 718, foi para Roma onde o Papa Gregório II lhe dá o nome de Bonifácio e o encarrega de evangelizar a Germânia. Na Baviera, encontra uma igreja florescente mas na Turíngia encontra dificuldades em evangelizar e converter os locais que professavam o arianismo, uma espécie de cristianismo misturado com idolatria. Passou três anos na Frísia e no Hesse, sob a direção de São Wilibrordo, onde encetou várias viagens de evangelização e onde converteu milhares de pessoas, algumas das quais seguiram a vida religiosa sob a Regra de São Bento. São Bonifácio recusou ser sucessor de São Wilibrordo na Sé de Utreque com o argumento que o Papa lhe tinha destinado o trabalho missionário.
Chamado a Roma, foi bem recebido pelo Papa, que o consagrou bispo em 30 de novembro de 722, com o nome de Bonifácio, provavelmente derivado de bonum facere, ou de bonum fatum, ou ainda da latinização do seu nome Winfrido. Na posse de cartas do Papa que exigem a obediência ao novo bispo, São Bonifácio volta ao Hesse, onde destrói o símbolo do paganismo germânico, o carvalho de Geismar, dedicado a Thor, construindo com a madeira uma capela dedicada ao príncipe dos Apóstolos, o que faz com que ocorra uma nova série de conversões. Na Turíngia, ajudado por monges e monjas ingleses, entre os quais Wilibaldo, Wunibaldo, Santa Lioba, Santa Walburga, Cunitrude e Santa Tecla, funda vários mosteiros, entre os quais Fritzlar e Tauferbischofsheim, que contribuem para consolidar a sua obra. Construiu, na Turíngia, o primeiro mosteiro de Ohrdruf, perto de Altenberg, nomeando Santa Tecla, abadessa de Kitzingen, Santa Lioba, abadessa de Bischofsheum e Santa Walburga, abadessa de Heidenheim. São Bonifácio é nomeado arcebispo, em 732, e encarregado por Gregório III de organizar as dioceses alemãs, o que faz depois de uma nova viagem a Roma (737). Cria então na Baviera as dioceses de Passau, Ratisbona, Freising, Salzburgo (mais tarde Eichstätt) no Hesse, a de Buraburg e, na Turíngia, as de Erfürt e Würzburg. Funda ainda o Mosteiro de Fulda, lugar que escolhe para repousar e meditar sempre que lhe é possível.
Em 742-747, a pedido de Carlomano e Pepino, o Breve, ocupa-se da reforma da igreja franca através dos sínodos germanicum (743) de Estinnes, Soissons e Colónia (745). Em 1 de maio de 747 é nomeado arcebispo de Mogúncia (Mainz) e primaz da Alemanha pelo Papa Zacarias. Quando Carlos Magno se retira para viver o resto dos seus dias como monge, abdicando em favor do irmão Pepino, foi São Bonifácio que ungiu e coroou o novo imperador e fundador da dinastia Carolíngia por ordem do Papa.
Quando São Bonifácio viu consolidado o trabalho desenvolvido na Alemanha, resolveu voltar ao sonho da conversão dos frígios que o tinha animado na juventude. Com o consentimento real e do Papa, deixou o arcebispado da Mogúncia ao seu discípulo Lullus, em 754, e recomeçou a sua atividade de missionário com sucesso no Leste da Frígia. Quando reunia para confirmação os convertidos no rio Borne, em Dokkum, foi morto por pagãos, juntamente com 52 companheiros. O corpo, encontrado com um exemplar ensanguentado da Vantagem da Morte de Santo Ambrósio, foi levado para Utreque, de onde foi trasladado para a Mogúncia por intervenção de Lullus, tendo finalmente repousado na Abadia de Fulda. As suas relíquias estão espalhadas por Lovaina, Praga, Bruges, Erfurt e Eichfeld. O seu túmulo tornou-se um santuário onde acorriam peregrinações massivas, sobretudo na sua festa celebrada durante a Oitava da Páscoa. Pensa-se que a Inglaterra terá sido o primeiro local onde o seu martírio foi celebrado num dia fixo, mas rapidamente o ritual se estendeu a outros países. Em 11 de junho de 1874 o Papa Pio IX tornou a celebração extensível a todo o mundo cristão. Dos escritos de São Bonifácio chegaram até aos nossos dias a Coleção de Cartas, Poemas e Adivinhas, Poenitentiale, Compêndio de Língua Latina, Compêndio de Prosódia Latina e Sermões.
Como referenciar: São Bonifácio in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-08-25 13:23:45]. Disponível na Internet: