Segredos, Sebes, Aluviões

O segundo volume de poesia de Joaquim Manuel Magalhães obedece a um grande rigor construtivo, anunciado, desde logo, pela tripartição semântica e significativa das três partes (três dimensões da existência) retiradas ao título. Surpreendente pelo seu inusitado ancoramento no concreto e na realidade, visível não apenas em momentos descritivos, como em pequenas estruturas diegéticas, subjaz melancolicamente a Segredos, Sebes, Aluviões um desejo de cantar "tons perdidos", um Portugal antigo e da infância ("Tudo em ruínas,/ a infância, o país perdido"), evocado em objetos e espaços pormenorizados (cestos, almotolias, a Sagrada Família, a borralheira).
Como referenciar: Segredos, Sebes, Aluviões in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-09-19 07:09:34]. Disponível na Internet: