semente

Estrutura de reprodução e disseminação das espermatófitas, formado a partir do óvulo fecundado. A semente tem duas funções principais, conferir proteção ao embrião e fornecer-lhe nutrientes que assegurem o seu desenvolvimento inicial, quando ocorre a germinação.
A semente madura é constituída pelo invólucro exterior e pelo embrião, ao qual se encontram associados tecidos de reserva.
O invólucro exterior, o tegumento, de espessura variável, forma-se a partir do tegumento do óvulo e tem por função proteger o embrião. O embrião é um esporófito dormente, geralmente constituído por radícula, caulículo, gémula e cotiledóne(s). Na semente madura, o desenvolvimento do embrião é interrompido, permanecendo este num estado de latência até que se inicie a germinação.
Os tecidos de reserva - endosperma e perisperma - asseguram a viabilidade do esporófito quando a germinação se inicia até que este se torne fotossinteticamente ativo. Em algumas espécies, os nutrientes são armazenados no corpo do embrião - cotilédones (ex.: feijoeiro).
Ao contrário das gimnospérmicas, cujas sementes são nuas, nas angiospérmicas as sementes encontram-se encerradas no fruto que se desenvolve essencialmente a partir da parede do ovário. O ponto de ligação da semente ao fruto caracteriza-se por uma pequena depressão denominada hilo.
As sementes são estruturas mais resistentes que os esporos, representando uma vantagem evolutiva para as espermatófitas e contribuindo para a dominância destas plantas na flora atual. Podem ser armazenadas durante muito tempo, mantendo a viabilidade do embrião.
As sementes são utilizadas na alimentação humana e de outros animais.
Como referenciar: Porto Editora – semente na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-10-18 02:47:12]. Disponível em