Setúbal

Aspetos geográficos

Cidade, sede de concelho e capital de distrito, localiza-se na Região de Lisboa (NUT II) na península de Setúbal (NUT III), e fica na margem direita do estuário do rio Sado. A altitude máxima da cidade é de 20 metros. Dista 40 km de Lisboa e 360 km do Porto.
O concelho tem uma área de 193,5 km2, distribuída por oito freguesias: Nossa Senhora da Anunciada, Santa Maria da Graça, S. Julião, S. Lourenço, S. Sebastião, S. Simão, Sado e Gambia-Pontes-Alto da Guerra.
Em 2005, o concelho apresentava 118 696 habitantes.

O natural ou habitante de Setúbal denomina-se sadino ou setubalense.

Situado a sul do rio Tejo, confina a norte com os distritos de Santarém e Lisboa, a sul com os de Beja, a leste com os de Beja e Évora, e a oeste com o oceano Atlântico. Os seus recursos hidrográficos são formados pelo rio Sado e seus afluentes: Odivelas, Xarrama, Alcáçovas, S. Martinho, Marateca, Corona e Arcão. No distrito encontram-se ainda as lagoas de Albufeira e Santo André. Quanto à orografia, é formado pelas serras da Arrábida, com a altitude máxima de 501 metros, Grândola e Cercal.

A área mais a norte do seu território pertence à Estremadura e a restante ao Alentejo.

Engloba a área de paisagem protegida da arriba fóssil da Costa da Caparica, o Parque Natural da Arrábida e a Reserva Natural do Estuário do Sado.

Numa área de aproximadamente 5067 km2 existem 13 concelhos: Álcacer do Sal, Alcochete, Almada, Barreiro, Setúbal, Sesimbra, Seixal, Palmela, Moita, Montijo, Grândola, Santiago do Cacém e Sines.


História e Monumentos

Segundo achados arqueológicos, a primitiva povoação que deu origem ao concelho de Setúbal parece ter sido edificada pelos Romanos, que lhe chamaram Cetóbriga. Repovoada após a conquista aos mouros, recebeu foral em 1249, passou a vila em 1525 e a cidade em 1860. É sede de distrito desde 1926.

Foi em Setúbal que se celebrou o casamento do rei D. João II, em 1471.

De entre as personagens notáveis de Setúbal, destacam-se os nomes do poeta Bocage e da cantora lírica Luísa Todi - ambos recordados na toponímia e na estatuária da cidade e o pintor e professor Celestino de Sousa Alves (1913-1974), distinguido com vários prémios, agraciado com o grau de Oficial da Ordem de Instrução Pública e, também, homenageado em nome de rua. De referir também outros artistas setubalenses como João Vaz, Fernando dos Santos, Lima de Freitas e Augusto Júlio.

Na cidade encontram-se alguns monumentos notáveis, como o Convento das Freiras de Jesus, edifício delineado pelo arquiteto Boitaca, autor do projeto do Mosteiro dos Jerónimos. Nesse edifício, encontra-se o museu da cidade, com admiráveis pinturas e valiosos quadros, alguns deles atribuídos à oficina de Jorge Afonso.

Para além do convento, são também de destacar as igrejas de S. Julião e de Santa Maria, o cruzeiro junto à Igreja de Jesus, o pelourinho (coluna em mármore, situada na Praça de D. Pedro), o Forte de S. Filipe e a Torre de Outão.

O património estende-se aos outros concelhos do distrito. Em Almada, o destaque vai para a igreja e antigo convento de S. Paulo; em Sesimbra, evidenciam-se os paços do concelho, a Igreja Matriz e a igreja da Misericórdia; em Alcochete, a Igreja Matriz e igreja da Misericórdia e em Palmela, o castelo.


Tradições, Lendas e Curiosidades

O feriado municipal do distrito é a 15 de setembro.

A principal festa do concelho de Setúbal é a Festa do Círio da Arrábida, a 28 de junho. No terceiro domingo de cada mês tem lugar o mercado e a 25 de julho realiza-se a Feira de Sant'Iago.

No distrito realizam-se muitas outras festas e romarias durante o ano, das quais se destacam: a Festa das Vindimas, com um cortejo alegórico, a feira de maio e a Festa de Todos os Santos, em novembro, no concelho de Palmela; a N. Sra. da Penha e a feira de agosto, no concelho de Grândola; a festa dos Santos Populares, em Alcácer do Sal; as festas do Barrete Verde e das Salinas e Festa da Confraternização Camponesa, em Alcochete; e o Festival de Música dos Capuchos, no Convento dos Capuchos, na Costa da Caparica, em Almada.

No concelho do Seixal, podem observar-se moinhos de maré, construídos nas margens dos estuários dos rios. O moinho de Corroios, primeiro moinho a ser construído no Seixal, em 1403, a mando de Nuno Álvares Pereira, é considerado património municipal e ainda funciona.

As touradas prevalecem como um dos elementos característicos da cultura deste distrito.

Um dos produtos mais representativos do artesanato são as rendas de Setúbal. A produção alarga-se aos outros concelhos, fabricando-se cadeiras de buinho, barcos em miniatura, trabalhos em esparto, instrumentos musicais, azulejaria e trabalhos em madeira e cortiça.


Economia

O distrito apresenta uma importante atividade agrícola, sendo famosas as laranjas e as uvas moscatel, das quais se produz um vinho de excelente qualidade. Tanto as laranjas como o vinho são exportados em larga escala. Nas suas terras cultivam-se também cereais, produtos hortícolas e olivais.

Num distrito com velhas tradições marítimas, a pesca representou outrora uma atividade relevante na economia da região, agora ameaçada pela poluição e pela escassez de recursos piscícolas. Desta atividade restam ainda as embarcações típicas, como o saveiro da Caparica, e os trajes dos pescadores. O concelho de Setúbal foi um dos maiores centros de conserva de sardinha do país, tendo contado com cerca de 120 fábricas em 1920. Atualmente é um grande centro salineiro e o terceiro maior porto de mar, com uma grande extensão de cais acostável e docas para barcos de recreio e de pesca.

A extração de sal, a exploração de pedreiras e minas metálicas, o fabrico de cimentos e o comércio ocupam parte significativa da população ativa, tendo um forte peso na economia do distrito, onde se localiza um dos maiores centros industriais do país, evidenciando-se o concelho do Barreiro.

O património ambiental da serra da Arrábida, o monumento do Cristo-Rei, em Almada, e as praias da Costa da Caparica, Santo André e Troia potencializam o turismo como uma atividade em crescimento.
Como referenciar: Setúbal in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-02-22 22:14:57]. Disponível na Internet: