Sever do Vouga

Aspetos Geográficos
O concelho de Sever do Vouga, do distrito de Aveiro, localiza-se na Região Centro (NUT II) no Baixo Vouga (NUT III). É limitado a norte por Vale de Cambra, a oeste por Oliveira de Azeméis e Albergaria-a-Velha, a sul por Águeda e a este por Oliveira de Frades, do distrito de Viseu. Estende-se por uma área que ronda os 250 metros de altitude média, na vertente meridional da serra do Arestal, na margem direita do rio Vouga. Neste rio existem pequenas praias fluviais, como a da Quinta do Barco e também uma cascata que é a da Cabreira.
O concelho abrange uma área de 130 km2, subdividida em nove freguesias: Cedrim do Vouga, Couto de Esteves, Dornelas, Paradela do Vouga, Pessegueiro do Vouga, Rocas do Vouga, Sever do Vouga, Silva Escura e Talhadas. Em 2005, o concelho apresentava 12 977 habitantes.
O natural ou habitante de Sever do Vouga denomina-se severense.

História e Monumentos
Nos inícios do século VI, após a vitória dos Visigodos sobre os Suevos, permaneceu nestas terras o conde de Sevéri, um dos guerreiros vencedores. Durante várias décadas, os familiares ascendentes usaram o título do dito conde, acabando por dar origem a Sever.
No século XI, havia vários mosteiros na sua área incluindo o moçárabe, ao qual se juntou, em 1135, o de S. Tiago e em 1141 o de S. João de Tarouca, ano em que D. Afonso Henriques estabeleceu o couto.
D. Manuel I concedeu foral às terras de Sever do Vouga em 29 de abril de 1514.
O património arquitetónico é rico e variado, destacando-se os megalíticos de gravuras em pedras conhecidos por Forno dos Moiros, da Idade do Bronze. A pedra tem uma dimensão de 5 m de comprimento por 2 m de largura e foi classificada como Imóvel de Interesse Público em 1990. Existem também outros monumentos de interesse como os moinhos antigos e os espigueiros, assim como as capelas, nomeadamente a de S. Macário, de S. Brás e S. Tiago e a Igreja Matriz de N. Sra. da Assunção. Também fazem parte do concelho a anta da Cerqueira e a via Romana que fazia ligação entre o nó viário de Viseu e a estrada de Olissipio/Bracara (Lisboa/Braga), pertencente à rede viária romana (sécs. II e IV). Esta foi classificada como Imóvel de Interesse Público em 1990.
O pelourinho de Sever do Vouga, localizado junto ao antigo edifício da Câmara, e o pelourinho de Couto Esteves, de origem senhorial, foram classificados como Imóveis de Interesse Público em outubro de 1933.

Tradições, Lendas e Curiosidades
No concelho há várias festas e romarias, como a festa da Senhora, no dia 1 de janeiro; a de S. Sebastião, no primeiro domingo, após o 20 de janeiro; a do Sagrado Coração de Jesus, na primeira sexta-feira de junho; a de Sta. Quitéria, no primeiro domingo de julho; a festa da Devoção, no primeiro de agosto; a da N. Sra. da Saúde, no dia 15 de agosto; e a de Sta. Luzia, no domingo após o dia 13 de dezembro.
O concelho é muito animado com eventos dinamizados, como a Prova Noturna de Fórmula Roll Sever, inserida na "Semana da Lampreia" e outras atividades mais práticas como: todo-o-terreno, BTT, canoagem, entre outras.
O feriado municipal é no dia 21 de setembro.
O artesanato do concelho compõe-se de trabalhos de cestaria no Pombal e do ferro em Paçô.

Economia
A agricultura é de subsistência, dada a dimensão minifundiária das explorações, o uso de técnicas tradicionais, a execução dos trabalhos agrícolas pela população feminina e o seu sistema policultural, onde coexistem várias culturas como os laranjais, a vinha, os milheirais e as hortas. Assim, há um grande número de pessoas que se dedicam a esta atividade.
As indústrias, nomeadamente metalomecânicas, de construção civil e as ligadas à madeira, têm vindo a ser incrementadas a tal ponto que foram já criadas novas áreas industriais como a das Talhadas.
Como referenciar: Sever do Vouga in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-06-18 06:20:50]. Disponível na Internet: