Shu

Divindade do panteão egípcio que compõe a Enéade heliopolitana. O deus da atmosfera, seria filho de Atum. De acordo com uma das versões Shu e Tefnut, sua irmã e consorte, teriam nascido como resultado da masturbação de Atum. Outras versões defendem que Shu seria o "sopro" divino de Atum, enquanto Tefnut teria sido gerada da saliva do mesmo. O par era cultuado como casal leonino em Leontópolis. O signo hieroglífico de Shu é a pluma, que dá leitura ao seu nome. Enquanto representante do ar, foi associado à luminosidade, sendo também identificado como deus da luz solar. Aparece, para além disso, frequentemente relacionado com os deuses lunares Tot, Khonsu e Khnum. Surge, em vário papiros, separando duas figuras: a sua filha Nut, deusa do céu, que se encontra arqueada sobre Geb, deus da terra, também seu filho. Ao erguer a abóbada celeste, Shu separa o céu da terra, função que está implícita numa das possíveis traduções do seu nome: "O que ergue".
Como referenciar: Porto Editora – Shu na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-12-06 09:18:14]. Disponível em