Sílvio Romero

Escritor, político, historiador e folclorista brasileiro, Sílvio Vasconcelos da Silveira Ramos Romero nasceu a 21 de abril de 1851, em Lagarto, no Estado do Seará (Brasil).
Em 1863, partiu para o Rio de Janeiro, onde realizou os estudos preparatórios no Ateneu Fluminense. Em 1968, foi para Nordeste, matriculando-se na Faculdade de Direito do Recife, onde foi colega de Tobias Barreto e de Araripe Júnior. Nessa altura, para além de colaborar como ensaísta e poeta para jornais pernambucanos como A Crença, Americano, Correio de Pernambuco e Movimento, Sílvio Romero fundou um grupo de jovens intelectuais que procuravam renovar o pensamento filosófico brasileiro. Licenciado em 1873, foi promotor da comarca de Estância (em Sergipe) e, um ano depois, a deputado pela Assembleia Provincial de Sergipe, renunciando logo ao cargo. Ainda, em 1873, defendeu a tese de doutoramento em Direito.
Em 1875, foi para o Rio de Janeiro e, em seguida, foi designado juiz municipal de Parati. Em 1979, estabeleceu-se no Rio de Janeiro, onde colaborou com vários jornais, como O Repórter, no qual criticou figuras políticas. No ano seguinte, obteve a cadeira de Filosofia no Colégio Pedro II com a tese Interpretação Filosófica dos Fatos Históricos e, em 1910, jubilou-se. Foi também docente na Faculdade Livre de Direito e na Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais do Rio de Janeiro.
Em 1898, foi eleito deputado federal por Sergipe. Evidenciou-se como relator do Projeto de Código Civil, defendendo, então, muitas das suas ideias filosóficas e, em 1911, foi para Minas Gerais, onde exerceu o cargo de Juiz de Fora.
Sílvio Romero, membro fundador da Academia Brasileira de Letras, escreveu vários livros dos quais se destacam: Cantos do Fim do Século (1878), Introdução à História da Literatura Brasileira (1882), Contos Populares do Brasil (1885), Etnografia Brasileira (1888), Ensaios de Filosofia do Direito (1895), Ensaios de Sociologia e Literatura (1901), Provocações e Debates (1910), entre outros. O escritor foi também um pesquisador bibliográfico sério e minucioso que contribuiu grandemente para a historiografia literária brasileira. Sílvio Romero, José Veríssimo e Araripe Júnior constituíram uma trindade crítica da época naturalista, marcada pelo evolucionismo e pela doutrina determinista de Taine. Para além disso, foi precursor da sociologia brasileira, ao adotar o método monográfico de Frédéric Le-Play (1806-1882), ao criticar o monocausalismo em ciências sociais e ao influenciar a sociologia de Francisco José de Oliveira Vianna (1883-1951).
Sílvio Romero faleceu a 18 de julho de 1914, no Rio de Janeiro.
Como referenciar: Sílvio Romero in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2021. [consult. 2021-01-17 19:52:25]. Disponível na Internet: