Teixeira de Vasconcelos

Político e escritor português nascido a 1 de novembro de 1816, no Porto, e falecido a 29 de junho de 1878, em Paris. Filho de um absolutista convicto, chegou a incorporar, por imposição paterna, o exército de D. Miguel, durante a guerra civil. Entre 1839 e 1844, frequentou o curso de Direito na Universidade de Coimbra, onde evoluiu politicamente para o liberalismo e fundou o jornal A Oposição Nacional, de inspiração liberal e progressista. Depois de uma estada em Angola, na qualidade de presidente da Câmara de Luanda, e em Paris, onde fundou, juntamente com Eduardo de Faria, a Sociedade Ibérica, e de viagens pela Inglaterra e pela França, regressou a Lisboa em 1862, dedicando-se à atividade jornalística e ao exercício das suas funções de deputado. Em 1865, interveio na Questão Coimbrã com um folheto publicado na Gazeta de Portugal, intitulado "Paz", onde preconizava a reconciliação entre as duas fações literárias. Foi fundador, diretor e redator principal da Gazeta de Portugal, mas colaborou, ao longo da sua vida, em vários outros periódicos, como O Arauto, Crónica Literária da Nova Academia Dramática, A Ilustração, Jornal do Comércio e Revista Universal Lisbonense. No domínio literário, foi autor de romances, como Roberto Valença (1846), O Prato de Arroz-Doce (1862) e A Ermida de Castromino (1875), que, juntamente com a narrativa de viagem Viagens na Terra Alheia (1863), representam a transição da ficção histórica para a ficção de atualidade.
Como referenciar: Teixeira de Vasconcelos in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-09-23 17:15:45]. Disponível na Internet: