Tentações de S. Frei Gil

Longo poema que deve ser compreendido no contexto de uma poética saudosista que tende formalmente para os "'romances em verso' que se abrem para um sentido profético, visionário, filosófico" (Cf. GUIMARÃES, Fernando - Poética do Saudosismo, Lisboa, Presença, 1988, p. 44). À estrutura diegética acresce, nesta obra, uma estrutura dramática que coloca o santo, submetido às tentações do "Amor", da "Morte" e da "Vida", em diálogo com múltiplas entidades, elementares, divinas, humanas, animais, transcendentes. Mas este dramatismo restringe-se ao plano de uma comunicação em discurso direto que, embora versificada, investe em estruturas argumentativas que visam convencer ou seduzir um protagonista no seu confronto verbal com uma série de personagens alegóricas ou abstratas. Como afirma Fernando Guimarães, a propósito de um outro poema representativo do movimento saudosista, o Marânus de Teixeira de Pascoaes, "Dir-se-ia que os [...] personagens [...] acabam por ficar como que isolados no limite das suas próprias palavras - as quais valem, muitas vezes, como belos poemas, de modo que a ação que atravessa todo o poema propriamente dito nunca se insere plenamente numa movimentação dramática adequada." (id. ibi., p. 46.)
Como referenciar: Tentações de S. Frei Gil in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-08-21 08:57:05]. Disponível na Internet: