Terra Ingrata

Coletânea de contos, de João de Araújo Correia, inspirados quer na memória pessoal, quer na memória coletiva, e que têm como fio condutor o esboço de um cosmorama humano situado e condicionado pela "terra maldita", a região duriense. Algumas histórias sugerem, pela simplicidade do seu sintagma de abertura ("Num casebre de telha vã e chão terreiro, mas limpo, vivia com a mulher e uma filha um cavador chamado Narciso"), o início de uma narrativa situada fora do tempo, parecendo importar menos, no desenvolvimento da ação, a contextualização espácio-temporal, do que a análise dos sentimentos que agitam as relações humanas. A espontaneidade da escrita, a atenção ao concreto e ao verídico, a brevidade sugestiva com que introduz o leitor em situações dramáticas ou patéticas, a simplicidade, que não recusa um tom humorado e cordial na abordagem dos casos mais cruéis, são alguns dos traços que fazem deste volume um modelo exemplar da peculiaridade de escrita de João de Araújo Correia.
Como referenciar: Terra Ingrata in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-07 19:41:44]. Disponível na Internet: