The Shadows

Baseados nos guitarristas Hank Marvin (1941- ,de nome verdadeiro Brian Robson Rankin) e Bruce Welch (1941- , de nome verdadeiro Bruce Cripps), os Shadows sofreram várias mudanças na secção rítmica ao longo da sua carreira, tendo Terence "Jet" Harris (1939- ) e Tony Meehan (1943- ), baixista e baterista originais, sido os mais famosos e que seguiram carreiras próprias de sucesso nos anos 60.
Originalmentre chamados The Drifters, adotaram a nova designação durante a primeira digressão com Cliff Richard, para evitar confusão com a banda norte-americana de R&B com o mesmo nome.
Para além de "Apache", os temas "Man Of Mystery" (1960) e "Kon-Toki" (1961) tiveram algum êxito. Um dos seus intrumentais, "Cry For Shadow", foi mesmo gravado pelos Beatles.
Em 1961, Tony Meehan foi substituído por Brian Bennett (1940- ). No ano seguinte Brian "Liquorice" Locking (1940- ) ocupou o lugar de Jet Harris. O ano de 1963 trouxe os êxitos "Wonderful Land", "Dance On", "Guitar Tango" e "Foot Tapper". Para além disso apareceram no filme Summer Holiday.
Com John Rostill (1942- ) no lugar de Brian Locking, o grupo manteve a formação Marvin, Welch, Bennett e Rostill até 1968, tendo lançado cinco álbuns - Dance With The Shadows, Sound Of The Shadows, Shadow Music, Jigsaw, e From Hank, Bruce, Brian and John - e atuado em alguns filmes com Cliff Richard. Os The Shadows compuseram toda a banda sonora do filme Finder?s Keepers. Participaram e compuseram os temas das peças de teatro Alladin e Cinderella. Em 1966, surgiram em forma de bonecos no filme Thunderbirds Are Go.
Em 1968, apesar do álbum comemorativo dos 10 anos de carreira de Cliff Richard e dos Shadows, o grupo encerrou a sua atividade.
No ano seguinte, o grupo voltou à atividade temporariamente, com Alan Hawkshaw no lugar de Bruce Welch, e gravando um dos seus maiores sucessos de sempre, o single "Slaughter On Tenth Avenue". Por esta altura, Brian Bennett e Hank Marvin lançaram álbuns a solo, com pouco sucesso. Nesse mesmo ano de 1969, o grupo voltou a separar-se.
Em 1970, Bruce Welch e Hank Marvin iniciaram planos para uma nova colaboração, agora fora do contexto dos Shadows, tendo integrado o vocalista e guitarrista John Farrar (1945- ,também conhecido por ser compositor e produtor da cantora e atriz Olivia Newton-John). Este trio, conhecido por Marvin, Welch & Farrar, surgiu pela primeira vez na série televisiva de Cliff Richard, em janeiro de 1971, e lançou o primeiro álbum e o single "Faithful" no mês seguinte. Na consequente digressão europeia, o grupo contou com a presença do baterista Brian Bennett, levando a que os promotores da digressão pretendessem apresentá-los como The Shadows, ainda que sem sucesso.
Quando, em 1972, Bruce deixou o grupo (o insucesso da sua ligação à cantora Olivia Newton-John sendo avançado como causa), Hank Marvin e John Farrar reorganizaram o seu espetáculo e continuaram como duo, juntando-se a Cliff Richard e Olivia Newton-John, em setembro, para uma digressão. Brian Bennett, John Rostill e Alan Hawkshaw estiveram também envolvidos na digressão, cujo registo foi editado com a denominação Cliff Goes East.
Em 1973, Hank Marvin, Bruce Welch, Brian Bennett e John Farrar regressaram como The Shadows, cedendo finalmente aos pedidos do público. Gravaram o single "Turn Around And Touch Me" e o álbum Rockin? With Curly Leads. Estes acontecimentos seriam, no entanto, ensombrados pela morte de John Rostill, eletrocutado no seu estúdio pessoal.
Em 1975 o grupo representou o Reino Unido no Festival Eurovisão da Canção com o tema cantado "Let Me Be The One". No mesmo ano, John Farrar saiu do grupo para acompanhar e dirigir a carreira de Olivia Newton-John. O single "It?ll Be Me Babe", ainda com John na voz, foi lançado em 1976.
O grupo continuou a gravar, tendo obtido assinalável êxito com os temas "Don't Cry For Me Argentina" (1978), "Theme From The Deerhunter" (1979), "The Third Man" (1981). Já na década de 90, os Shadows gravaram o álbum Reflection, em 1990.
Até ao final dos anos 90, altura em que foi anunciado o fim definitivo, o grupo manteve gravações regulares, não conseguindo êxitos assinaláveis. Além dos novos originais, foram sucessivamente editadas diversas coleções da obra dos Shadows.
Como referenciar: The Shadows in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-09-29 19:00:52]. Disponível na Internet: