Thor Heyerdahl

Etnólogo e explorador norueguês, Thor Heyerdahl nasceu em 1914, em Larvik, na Noruega, e faleceu na Itália em 2002. Foi estudante de Zoologia, mas enquanto fazia trabalho de campo nas Marqueses Islands, na Polinésia, começou a interessar-se por assuntos de cariz antropológico, nomeadamente as primitivas populações das ilhas. Tal interesse conduziria à Expedição Kon-Tiki em 1947, na qual Heyerdahl desejava provar que os povoadores da Polinésia teriam vindo da América do Sul. Nesse sentido, a viagem que levou a cabo foi realizada em barcos de balsa, construídos segundo as tradições dos índios sul-americanos pré-colombianos. Heyerdahl, acompanhado de cinco tripulantes, partiu da América do Sul, percorrendo mais de 6000 quilómetros em 101 dias, enfrentando diversos tipos de obstáculos naturais, acabando por desembarcar na ilha polinésia de Raroia, provando assim (na perpectiva do explorador) que as ilhas da Polinésia poderiam ter sido originalmente povoadas por povos sul-americanos. A viagem ficou registada em filme, dando origem a um documentário, "Kon-Tiki", que venceria, depois, um Óscar da Academia de Hollywood, em 1952.
A viagem seguinte teria lugar em 1969, quando Heyerdahl e uma pequena tripulação atravessaram num barco semelhante a um modelo do antigo Egito - o Ra - o Oceano Atlântico a partir de Marrocos até à América Central. O seu objetivo era confirmar a possibilidade de as culturas pré-colombianas do hemisfério ocidental terem sido influenciadas pela civilização egípcia, como parecem apontar as construções de pirâmides na América Central. Esta teoria de difusão cultural seria rejeitada por etnólogos com base em argumentos linguísticos.
Tal facto não impediu que em 1977, Heyerdahl e uma tripulação internacional levassem a cabo uma viagem em jangada de seis mil quilómetros: a expedição Tigris. A viagem iniciou-se no Rio Tigre, no Iraque, atravessando o Golfo Pérsico até ao Paquistão, terminando no Mar Vermelho. O seu objetivo era, desta feita, estabelecer a teoria que os antigos Sumérios poderiam ter usado meios similares para difundir a sua cultura através do Sudoeste Asiático e da Península Arábica. Tal como acontecera com as expedições precedentes, a viagem foi relatada num livro e registada num documentário. Thor Heyerdahl foi um explorador e aventureiro destemido e ambicioso, assim como um antropólogo polémico, defendendo uma teoria de difusão cultural nem sempre bem aceite pela generalidade da comunidade científica. Para além das expedições referidas, empreendeu viagens com objetivos científicos às Ilhas Maldivas (1982-83), à Ilha da Páscoa (1955-56 e 1986) e ao Peru e Chile (1987).
Obras principais de Heyerdahl:
1952, American Indians in the Pacific: The Theory Behind the Kon-Tiki Expedition
1956, Archeological Evidence of Pre-Spanish Visits to the Galapagos Islands
1958, Aku-Aku: The Secret of Easter Island
1968, Sea Routes to Polinesia
1971, The Ra Expedition
1974, Fatu-Hiva: Back to Nature
1979, Early Man and the Ocean: A Search for the Beginnings of Navigation and Seaborne Civilizations
1980, The Tigris Expedition
1986, The Maldivas Mistery
Como referenciar: Thor Heyerdahl in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-11-18 06:07:07]. Disponível na Internet: