Tito de Morais

Político português, nasceu em 1910 e faleceu em 1999. Formou-se em Engenharia Eletrotécnica pela Universidade de Gandn, na Bélgica. Depois regressou a Portugal para desempenhar funções na Marconi e no departamento de eletromedicina da General Electric Portuguesa.
Tito Morais foi membro da Comissão Central do Movimento de Unidade Democrática (MUD), em 1945, tendo participado na campanha do General Norton de Matos para a Presidência da República. Em 1952 partiu para Luanda, Angola, e devido aos seus ideais políticos foi obrigado a viver em França e no Brasil (1961-1963). Neste último país fundou o movimento de apoio aos resistentes portugueses e uma ramificação do MUD.
Foi ainda dirigente da Junta de Salvação Nacional, na Argélia, e fundador da Associação Socialista Portuguesa, juntamente com Mário Soares e Ramos da Costa, em Genebra, em 1964. Em 1975 foi deputado à Assembleia Constituinte e em 1976 deputado à Assembleia da República.
Tito Morais desempenhou ainda o cargo de vice-presidente da Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa, entre 1979 e 1980. Entre os anos de 1977 e 1983 foi vice-presidente da Assembleia da República, órgão do qual foi presidente até 1985. De 1986 a 1988 assume a presidência do Partido Socialista. Em 1989, saiu da vida política ativa alegando motivos de saúde. Tito Morais recebeu inúmeras distinções entre as quais a Grande Ordem de Mérito da República Italiana, Grã-cruz da Ordem da Coroa da Bélgica, grã-cruz do Luxemburgo, grã-cruz da Ordem Militar de Cristo de Portugal e grã-cruz da Ordem da Liberdade de Portugal.
Como referenciar: Tito de Morais in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-07-17 05:47:03]. Disponível na Internet: