Tunísia

Geografia
País do Norte de África. Integrando a região do Magreb, abrange uma área de 163 610 km2. Banhado pelo mar Mediterrâneo, a norte e a leste, faz fronteira com a Argélia, a oeste, e a Líbia, a sudeste. As principais cidades são Tunes, a capital, com 704 700 habitantes (2004), Sfax (271 000 hab.), Aryanah (211 000 hab.), Ettadhamen (192 100 hab.) e Susah (155 200 hab.).
As montanhas da região norte, que fazem parte da grande cadeia do Atlas, ocupam um terço da área total da Tunísia. Fazem parte de cadeia montanhosa conhecida por Tell (a norte) e por Alto Tell a sul. O ponto mais alto é o monte Ashsha nabí com 1544 m e situa-se próximo da Argélia. A região central é constituída por planaltos. Mais para sul existem uma série de lagos de pouca profundidade e algumas áreas desérticas que se enquadram no Sara.
Clima
O clima é temperado mediterrânico no Norte e no litoral, tornando-se progressivamente mais árido na áreas meridionais.

Economia
Através de métodos artesanais de recolha de água é possível cultivar os oásis nesta zona da Tunísia. O único rio que se mantém ao longo do tempo é o rio Majardah, que produz energia elétrica e serve a agricultura local. O principal mineral é o fosfato, com uma das maiores reservas de África. Este país também possui petróleo e gás natural.
O turismo, baseado na atração das longas praias, nas antigas ruínas romanas e nos edifícios islâmicos, é uma das principais receitas da Tunísia. O petróleo, produzido no Sara, junto à fronteira com a Argélia, e os fosfatos originam também receitas importantes e estas três receitas sobrepuseram-se à economia agrícola tradicional. Os principais parceiros comerciais da Tunísia são a França, a Itália e a Alemanha.
Indicador ambiental: o valor das emissões de dióxido de carbono, per capita (toneladas métricas, 1999), é de 1,8.

População
A população tunisina, constituída por árabes e berberes, era, em 2006, de 10 175 014 habitantes, o que corresponde a uma densidade populacional de 61,58 hab./km2. As taxas de natalidade e de mortalidade são, respetivamente, de 15,52%o e 5,13 %o. A esperança média de vida é de 75,12 anos. O valor do Índice do Desenvolvimento Humano (IDH) é de 0,740 e o valor do Índice de Desenvolvimento ajustado ao Género (IDG) é de 0,727 (2001). Estima-se que, em 2025, a população seja de 12 028 000 habitantes. A população tunisina é constituída maioritariamente por árabes (98%), representando os berberes apenas 1,2%. A religião dominante é o islamismo sunita (99%). A língua oficial é o francês.

História
Cartago foi fundada no século VIII a. C. e localizava-se onde hoje é a capital da Tunísia (Tunes); no século VI o reino cartaginês cercou o território que pertence à atual Tunísia. Cartago tornou-se parte da Roma Africana de 146 a. C. até ao século VII d. C. aquando das invasões árabes. A Tunísia passou por vários conflitos até 1574 quando foi conquistada pelos Otomanos. Este país pertenceu ao Império Otomano até ao declínio deste no século XIX. Nesta altura, a Tunísia foi alvo dos interesses da França, Inglaterra e Itália. Em 1881, tornou-se protetorado francês mas foi conseguindo alguma participação na vida política e, após a Segunda Guerra Mundial, surgiram os movimentos independentistas. Em 1956 a França concedia a autonomia à Tunísia, era proclamada a república e abolido o poder dos reis, tradicionais soberanos tunisinos. Após os primeiros governos socialistas, a Tunísia, em 1987, elegeu como presidente o general Zine al-Abidine Ben Ali, que encorajou o crescimento do fundamentalismo islâmico antiocidental.
Como referenciar: Tunísia in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-11-22 13:25:06]. Disponível na Internet: