Últimas Rimas

Volume de poesias de João Penha publicado postumamente, mas quase inteiramente revisto pelo autor. Com exceção das poesias de temática religiosa incluídas na secção "Para os crentes", que, como o autor reconhece, "brigam, pela sua seriedade, com a futilidade de quase todas as outras do livro", as composições retomam o tom e os motivos predominantes na obra de Penha: a derrisão do lirismo amoroso ("Elvira"); a visão desencantada da constância feminina ("As de agora", "O que as move") e da paixão amorosa ("Nada no mundo se alcança / Que o tédio em pouco não mate: / A mais ardente amorança / Morre no ardor do combate!", da poesia "O tédio"); uma conceção quase prosaica da existência ("Sei qual a vida dos vivos, / Mas ignoro a dos defuntos, / Por isso, adoro os presuntos, / Ideais, mas positivos.", da poesia "As carnes"). Veja-se também a curiosa composição intitulada "Autobiografia", onde o poeta resume com humor o seu percurso biográfico e literário.
Como referenciar: Últimas Rimas in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-05-31 02:26:17]. Disponível na Internet: