Vendas Novas

Aspetos Geográficos
O concelho de Vendas Novas, do distrito de Évora, localiza-se no Alentejo (NUT II), no Alentejo Central (NUT III). Ocupa uma área de 225,1 km2 e abrange duas freguesias: Vendas Novas e Landeira.
O concelho apresentava, em 2005, um total de 11 862 habitantes. O natural ou habitante de Vendas Novas denomina-se vendeano.
O concelho encontra-se limitado a norte, a este e a sul pelo concelho de Montemor-o-Novo, a sudoeste por Alcácer do Sal, a oeste por Palmela e a noroeste por Montijo, pertencendo os três últimos concelhos ao distrito de Setúbal.
Possui um clima de influência marcadamente mediterrânica, caracterizado por uma estação seca bem acentuada no verão. A precipitação ronda os 500 mm entre os meses de outubro e março e os 170 mm no semestre mais seco, sendo bastante irregular.
A sua morfologia é marcada por um relevo relativamente suave, destacando-se somente o Monte Branco, com 142 m, e a Cascalheira, com 174 m.
Como recursos hídricos, a ribeira de Califórnia, a ribeira de Almansor e o açude das Bicas.

História e Monumentos
Vendas Novas foi freguesia do concelho de Montemor-o-Novo até 1962, altura em que passou a concelho. A povoação mais antiga do atual concelho é a de Landeira, cuja existência data do século XII. Em 1993 Vendas Novas foi elevada à categoria de cidade. As terras deste concelho conservam edifícios mouriscos, herança da ocupação árabe, cuja toponímia seria Laven, dando origem a Landeira.
Em 1520 recebeu foral. O desenvolvimento deste local foi incrementado nos finais do século XVI, com a construção de uma estalagem, no percurso entre Évora e Lisboa. Esta construção deve-se ao primeiro-duque de Bragança, ficando, propositadamente, a meio do caminho da estrada Lisboa-Évora, dando origem à povoação de Vendas Novas.
No século XVIII, durante o reinado de D. João V, a Escola Prática de Artilharia contribuiu também para o desenvolvimento da povoação. Foi elevada a vila em 1913.
No que se refere ao património histórico e monumental, destaca-se o Paço Real e respetiva igreja, a Igreja de Santo António e o Palácio do Vidigal, que seria o palácio de caça de D. Carlos.

Tradições, Lendas e Curiosidades
São muitas as manifestações populares e culturais no concelho, sendo de destacar as festas da cidade, realizadas a 20 de maio; a feira, que decorre no terceiro domingo de maio; as festas do concelho, realizadas a 7 de setembro e a 30 de novembro e a denominada Festa, que tem lugar na freguesia de Landeira.
Durante a ocupação árabe a toponímia seria Laven, pelo que a povoação mais antiga do atual concelho é provavelmente a da Landeira.
Como instalações culturais, de salientar o Museu de Artilharia das Vendas Novas e a Biblioteca Municipal.

Economia
No concelho predominam, principalmente, as atividades ligadas ao setor terciário, seguindo-se as atividades do secundário na área da indústria têxtil e de montagem de automóveis e só depois o primário.
Na agricultura, destacam-se os cultivos de cereais para grão, prados temporários e culturas forrageiras, vinha, pousio, culturas industriais, prados e pastagens permanentes. A pecuária mantém ainda alguma importância, nomeadamente na criação de aves, suínos e bovinos.
Quase 77% (1170 ha) do seu território está coberto de floresta, sendo as principais espécies arbóreas a oliveira, a azinheira e o sobreiro.
Como referenciar: Vendas Novas in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-10-22 02:36:51]. Disponível na Internet: