Vera Mary Brittain

Poetisa e escritora britânica, Vera Mary Brittain nasceu a 29 de dezembro de 1893, em Newcastle under Lyme, no Straffordshire. Filha de um industrial de papelaria, passou a sua infância em Macclesfield, na companhia do irmão, mais novo dois anos.
Estudou na Escola de St. Mónica e, após a conclusão do exame final, regressou a casa dos seus pais em Buxton, no Derbyshire. Desejando fugir à vida limitada das províncias do Norte, fez intenção de prosseguir os seus estudos no Sommerville College de Oxford. Rejeitando a ideia como absurda, os pais acabaram por aceder à sua vontade.
Com o rebentamento da Primeira Grande Guerra, Vera Brittain interrompeu os seus estudos para se alistar no Corpo Voluntário de Enfermagem. O seu noivo, Roland Leighton, morreu na guerra pelo tiro disparado por um franco-atirador. Também perdeu o seu irmão em 1918, na frente italiana e dois amigos mais próximos.
Brittain trabalhou como auxiliar de enfermagem nos hospitais da frente e na Ilha de Malta, lidando com as mortandades e devastação da guerra moderna. Tornou-se pacifista convicta, pelo que militou numa série de movimentos para a paz, tanto em Inglaterra como nos Estados Unidos da América.
Finda a guerra trabalhou como professora em Oxford e, em 1922, mudou-se para Londres, dedicando-se por inteiro à escrita. Entre 1921 e 1925 viajou amiúde pela Europa, visitando demoradamente a Alemanha. Em 1925 casou com o cientista político George C. G. Catlin, que acompanhou até aos Estados Unidos.
Enquanto que o marido desempenhava o seu cargo docente na Universidade de Cornell, Brittain regressou a Inglaterra ao fim de um ano, onde aprofundou a sua amizade com Winifred Holtby, feminista acérrima e romancista que havia conhecido em Oxford alguns anos antes. Decidiram ir viver juntas e assim, em 1922, estabeleceram-se num apartamento em Londres.
Em 1923 Brittain publicou o seu primeiro romance, The Dark Tide, que denunciava a descriminação sexual com que se havia deparado em Oxford. A obra gerou grande controvérsia nos meios académicos. Em 1933 foi a vez de Testament Of Youth, obra autobiográfica retirada dos seus diários do tempo de guerra.
Com a deflagração da Segunda Guerra Mundial, Brittain juntou-se aos movimentos pacifistas. Publicou, em 1944, Seed Of Chaos (Semente de Caos), em que protestava veementemente, contrariando a opinião pública, contra os bombardeamentos massivos na Alemanha quase derrotada. A obra foi rejeitada tanto em Inglaterra como nos Estados Unidos.
Faleceu a 29 de março de 1970, em Londres.
Como referenciar: Porto Editora – Vera Mary Brittain na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-10-22 05:01:15]. Disponível em