Vésperas. Poesias Dispersas

Coletânea de poesias dedicada a Camilo Castelo Branco. No poema inicial, que dá o título à antologia, Tomás Ribeiro propõe-se apresentar os seus cantares de outono e anuncia os principais travejamentos temáticos que os percorrem: "Vamos reler baixinho os vespertinos cânticos, / onde há de novo, só - de novo ou de obsoleto, - / que a pátria canto e o amor, e que ainda creio em Deus." De facto, as composições percorrem as várias diretrizes da poética de Tomás Ribeiro, da temática amorosa ("Luísa", "Angélica", "Rosa de Musgo") à inspiração religiosa ("Ao pôr do sol", "Hosanna, filli David"), passando pela exaltação patriótica ("O primeiro de dezembro") e pelos incontornáveis motivos sociais e filantrópicos ("Na casa de correção", "A Velha"). De ressaltar ainda as várias traduções e imitações de poesias orientais, resultantes da sua passagem pela Índia ("Canções da Índia", "Dippu. Conto oriental", "Carteira de viagem").
Como referenciar: Vésperas. Poesias Dispersas in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-06-06 16:58:38]. Disponível na Internet: