Vila Nova de Paiva

Aspetos Geográficos
O concelho de Vila Nova de Paiva, do distrito de Viseu, localiza-se na Região Centro (NUT II), no Dão-Lafões (NUT III). Ocupa uma área de 175,2 km2 e abrange sete freguesias: Alhais, Fráguas, Pendilhe, Queiriga, Touro, Vila Cova a Coelheira e Vila Nova de Paiva.
O concelho encontra-se limitado a nordeste pelo concelho de Moimenta da Beira, a noroeste por Castro Daire, a sudoeste por Viseu e a sudeste por Sátão e a norte por Tarouca. O concelho apresentava, em 2005, um total de 6286 habitantes.
O natural ou habitante de Vila Nova de Paiva denomina-se paivense.
Possui um clima mediterrânico de feição continental, apresentando invernos frios e verões quentes e secos.
A sua morfologia é relativamente acidentada, destacando-se como zonas de maior altitude as serras da Nave (1016 m), do Picoto (859 m) e Monte Alto (941 m).
Tem, como recursos hídricos, os rios Paiva, Touro e Mau.

História e Monumentos
A atual área do concelho de Vila Nova de Paiva incluía, inicialmente, uma série de outros concelhos.
Fráguas foi um dos seus primeiros e mais extensos concelhos. Em 1128, D. Teresa, mãe de D. Afonso Henriques, nomeou numa carta de couto a povoação de Fráguas (Frávegas), que por muito tempo ficou a chamar-se "Couto de Frávegas".
Barrelas (sede de concelho) também fazia parte desta área, denominada Vila Nova de Paiva, a 2 de maio de 1883. A região do atual concelho já era referida em documentos que datam da fundação da Nacionalidade evidenciando a sua importância económica e política.
Fráguas e Barrelas foram propriedade do Mosteiro de Arouca.
O concelho de Vila Cova foi comenda das ordens de Malta e Hospital, que receberam as terras e a igreja das mãos de Urraca Afonso, e o concelho de Pendilhe (igreja) pertenceu ao padroado do Mosteiro de Alpendurada.
Durante as reformas do liberalismo foram extintos os concelhos de Alhais, Vila Cova, Pendilhe e Fráguas, que hoje são freguesias de Vila Nova de Paiva.
Ao nível do património histórico e arquitetónico, realce para a Igreja Paroquial de Vila Nova de Paiva, a Igreja de São Sebastião, construída nos séculos XI-XII, reconstruída entre 1700 e 1710. Recentemente, em 2000, foi alvo de obras de restauro e beneficiação. A necrópole medieval dos Carvalhais, utilizada como local de sepultura entre os séculos VII e X, é um conjunto formado por dez sepulturas, que se implantam sem uma orientação lógica. Na generalidade, estas sepulturas têm formas grosseiramente ovalizadas e trapezoidais, destacando-se três delas pelas formas antropomórficas. Na sua parte superior são ainda visíveis os encaixes, para colocação das tampas.
De salientar, também a Orca dos Juncais, que data do período megalítico e possui alguns esteios decorados com pinturas rupestres, representando um deles, uma cena de caça ao veado com várias figuras humanas.

Tradições, Lendas e Curiosidades
As manifestações populares e culturais são muitas e diversas, sendo de destacar a festa de Senhora de Fátima, a 15 de agosto, e a feira de Vila Nova de Paiva, realizada, quinzenalmente, aos sábados.
No artesanato, são típicos os trabalhos de tamancaria, de palheiras de juncos, de capuchas de burel, as rendas e os bordados em linho.
Neste concelho existe uma lenda acerca do seu antigo nome, relacionado com uma sentença do juiz de Barrelas, que terá sido um homem justo, que usava sempre meias amarelas, segundo relatos de Aquilino Ribeiro.
Certa noite, o magistrado assistiu, sem poder intervir, a uma altercação entre dois homens, tendo um deles assassinado o outro. O povo, porém, acusou um terceiro, por sabê-lo desavindo com a vítima e levou-o a julgamento. O juiz, que estava certo da inocência do réu mas não podendo testemunhar devido às suas funções, proferiu então a seguinte sentença: "Vi e não vi, sei e não sei, corra a água ao cimo, deite-se fogo à queimada, dê-se laço em nó que não corra... Por tudo isto e em face da plena prova do processo constante, condeno o réu na pena de morte, mas dou-lhe cem anos de espera para se arrepender dos pecados. Cumpra-se. Juiz de Barrelas". O juiz fez justiça e salvou o inocente.

Economia
No concelho predominam as atividades ligadas ao setor primário, seguidas do secundário e do terciário. Na agricultura, os cultivos de cereais para grão, leguminosas secas para grão, prados temporários e culturas forrageiras, batata, prados, pastagens permanentes e frutos secos são os mais importantes. A pecuária tem também alguma importância, nomeadamente na criação de ovinos, coelhos e aves.
Quase 27% (1708 ha) do seu território está coberto de floresta.
Como referenciar: Vila Nova de Paiva in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-07-21 16:21:03]. Disponível na Internet: