Vila Velha de Ródão

Aspetos Geográficos
O concelho de Vila Velha de Ródão, do distrito de Castelo Branco, localiza-se na Região Centro (NUT II), na Beira Interior (NUT III). Ocupa uma área de 330 km2 e abrange quatro freguesias: Fratel, Perais, Sarnadas de Ródão e Vila Velha de Ródão.
O concelho encontra-se limitado a este e a norte pelo concelho de Castelo Branco, a oeste por Proença-a-Nova e a sul por Nisa, do distrito de Portalegre. O concelho apresentava, em 2005, um total de 3850 habitantes.
O natural ou habitante de Vila Velha de Ródão denomina-se rodense.
Possui um clima mediterrânico, com influências continentais, sendo os verões bastante quentes, com temperaturas que rondam os 30 °C, e os invernos consideravelmente frios, registando-se uma elevada amplitude térmica anual.
Nos recursos hídricos, é da maior importância o rio Tejo, em cuja bacia hidrográfica se encontra a barragem de Fratel, com 43 m de altura, na zona pertencente ao concelho.
O edificado mais antigo estende-se na encosta da serra do Perdigão e o mais moderno estende-se numa área mais plana, próxima das margens do rio Tejo. No relevo é ainda de destacar o Penedo Gordo (566 m) e a existência de "falhas", marcadas no terreno por escarpas, sendo geralmente a parte mais baixa bastante drenada com aluviões férteis. A Fonte das Virtudes está ligada à existência das referidas falhas, que permitem que as águas aquecidas brotem do interior da crusta terrestre.

História e Monumentos
A presença humana nestas terras remonta à Pré-História. Segundo vestígios arqueológicos, pensa-se ter tido origem no Paleolítico Inferior.
Apeser de não haver registo sobre o foral, crê-se que os Templários, que aforavam os castelos que possuíam, entre os séculos XII e XIII, também tivessem atribuído foral a Açafa ou Ródão.
Em 1836, o concelho foi eliminado, restaurou-se a 27 de setembro de 1837, tendo sido novamente suprimido a 7 de setembro de 1895. Vila Velha de Ródão foi definitivamente restaurado a 13 de janeiro de 1898.
Merece ainda referência a grande cheia que ocorreu a 2 de janeiro de 1940, na qual as águas do Tejo subiram 20 m acima do seu nível normal.
No património arquitetónico, destaca-se o castelo, praticamente em ruínas, o pelourinho, constituído por uma coluna quadrangular, que tem numa das faces a cruz de Cristo e a esfera armilar, e a igreja matriz, cuja arquitetura é relativamente simples.
De referir ainda a ponte de Ródão, constituída por um tabuleiro metálico com 163 m de comprimento, com três tramos retos sobre pilares com cerca de 30 m de altura.

Tradições, Lendas e Curiosidades
São diversas as manifestações populares e culturais do concelho, sendo de destacar: a festa de Nossa Senhora da Piedade, no segundo domingo de maio; a festa de Nossa Senhora do Castelo, a 15 de agosto; a festa de Nossa Senhora da Alagada, no quarto domingo de agosto; a feira do Carnaval, no Domingo Gordo; a festa de S. Mateus, no segundo fim de semana de agosto; a feira das Cerejas, em junho, e a feira dos Santos, a 1 de novembro.
No artesanato, de salientar as peças de tecelagem em linho feitas em teares de madeira, os bordados, os trabalhos de ferro forjado, os trabalhos em madeira e pedra e as rendas.
Como instalações culturais existem o museu municipal, o Centro Municipal de Cultura e Desenvolvimento, que engloba a biblioteca, o museu arqueológico, uma galeria, uma secção desportiva e oficina de tecelagem, constituindo assim uma referência cultural de visita obrigatória, e o museu arqueológico, onde se encontra parte do património pré-histórico da região, ocupada desde o Paleolítico Inferior.

Economia
No concelho predomina o setor secundário. As indústrias mais importantes são as de laticínios, de salsicharia, celulose, panificação e extração de cortiça.
O setor terciário tem um peso ligeiramente inferior ao secundário, contudo é significativo na economia concelhia, detendo 38,8% das empresas sediadas no concelho, nomeadamente na hotelaria e pequeno comércio.
O setor primário apesar de ser o de menor relevância no concelho, possui uma importância significativa no contexto distrital e nacional. A agricultura ocupa uma área de 694 ha, sendo as principais culturas o olival, a horta familiar, os prados temporários, culturas forrageiras, vinha e cereais para grão.
Na pecuária, destaca-se a criação de aves, nomeadamente galinhas poedeiras e reprodutoras, de caprinos e de suínos.
Uma das principais espécies florestais é o pinheiro.
Como referenciar: Vila Velha de Ródão in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-07-16 01:42:03]. Disponível na Internet: